TRAVESSIA URBANA. A partir das 9 da manhã, está liberado trânsito no viaduto da Avenida Walter Jobim

TRAVESSIA URBANA. A partir das 9 da manhã, está liberado trânsito no viaduto da Avenida Walter Jobim

TRAVESSIA URBANA. A partir das 9 da manhã, está liberado trânsito no viaduto da Avenida Walter Jobim - travessia-urbana-2

Com informações (texto e foto) do Núcleo de Comunicação Social do DNIT-RS

A Superintendência Regional do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes no Rio Grande do Sul (DNIT/RS), por meio da Unidade Local de Santa Maria, informa que o viaduto da BR-158 (foto acima), localizado no entroncamento com a avenida Walter Jobim, será aberto ao tráfego neste sábado (28), a partir das 9h.

A liberação do viaduto garante mais segurança aos usuários da rodovia, segregando o fluxo urbano dos veículos que trafegam pela BR-158 em direção ao Oeste do Estado.

Conforme planejamento, o trânsito de veículos será liberado nos dois sentidos em um dos viadutos construídos no local, possibilitando mais fluidez nos deslocamentos. Quem trafega no sentido Uglione – Tancredo Neves ou Tancredo Neves – Uglione poderá passar pelo viaduto, sem a necessidade de utilizar a rotatória na parte inferior.

A pista simples nos dois sentidos segue até a nova ponte sobre o Arroio Cadena, que já está com trânsito liberado. O trecho recebeu sinalização horizontal e reforço de placas de delineadores. A antiga ponte do Cadena será reformada, adequando a estrutura ao projeto da Travessia Urbana de Santa Maria.

O DNIT alerta que, embora tenha sido liberado para utilização da comunidade, o viaduto da BR-158 continua com equipes trabalhando em seu entorno. No local serão concluídos passeios públicos, paisagismo e implantação da iluminação.

Até o fim dos trabalhos, o DNIT totalizará um investimento de R$ 12 milhões no viaduto, que faz a ligação da Região Central do Rio Grande do Sul com rotas para o Uruguai e a Argentina. Antes da implantação do viaduto, todo o trânsito era direcionado para uma rotatória simples, o que gerava engarrafamentos, além de alto índice de acidentes.​



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *