CÂMARA. Vereadores criam a Frente pelo fim da Violência contra a Mulher. Só homens no colegiado

CÂMARA. Vereadores criam a Frente pelo fim da Violência contra a Mulher. Só homens no colegiado

Por MAIQUEL ROSAURO (com foto de Allysson Marafiga/AICV), da Equipe do Site

CÂMARA. Vereadores criam a Frente pelo fim da Violência contra a Mulher. Só homens no colegiado - maiquel-valdir

Valdir  Oliveira é o proponente da Frente, que inclusive já existe na Assembleia

Os vereadores de Santa Maria aprovaram, nesta terça-feira (12), a formação de uma Frente Parlamentar dos Homens pelo fim da Violência contra a Mulher. Como o próprio nome indica, vereadoras não poderão integrar o colegiado.

O proponente da iniciativa é o vereador Valdir Oliveira (PT). O objetivo da iniciativa é proporcionar que os homens possam aproveitar os espaços a que tem acesso para difundir o tema e se somar à luta das mulheres e a conscientização da sociedade ao enfrentamento da violência de gênero.

“Homens que de fato respeitam a mulher não praticam violência contra a mulher. Mas não basta só não praticar, tem que denunciar e estar na linha de frente na defesa da mulher”, disse Valdir.

Porém, nem todos os vereadores concordaram com todos os pontos da proposta. Embora tenha declarado ser a favor iniciativa, Juliano Soares – Juba (PSDB) estranhou o fato de que os partidos não vão poder indicar vereadoras para a Frente Parlamentar.

“Tipo: ‘Mulheres, sentem aí que nós vamos resolver e brigar por vocês porque vocês não sabem’. Isso soa como machista”, alegou Juba.

Valdir rebateu argumentando que tal proposta já existe na Assembleia Legislativa e tem alcançado bons resultados.

Em seguida, a Frente Parlamentar foi aprovada em Plenário. Porém, frente ao impasse levantado por Juba, os vereadores vão deixar para indicar os membros do colegiado na sessão de quinta-feira (14).



1 comentário

  1. O Brando

    Como se o fim da violência contra a mulher dependesse de frente parlamentar. É mais uma daquelas ‘vote em mim, sou contra a violência que atinge as mulheres, sou legal!’. Como se alguém em sã consciência fosse a favor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *