EstadoPolítica

POLÍTICA. Receber milhões de votos não autoriza a ninguém passar por cima do parlamento, afirma Leite

Eduardo Leite teve café da manhã com as bancadas estadual e federal e senadores, na Assembleia Legislativa, na manhã deste segunda

Do Correio do Povo, com texto de FLÁVIA BEMFICA e foto de ITAMAR AGUIAR (Palácio Piratini)

O governador Eduardo Leite (PSDB) fez, na manhã desta segunda-feira, críticas diretas à postura que vem sendo adotada pelo presidente Jair Bolsonaro em relação as manifestações chamadas para o próximo domingo. “Manifestações são legítimas, eu respeito, mas este acirramento de ânimos não interessa. O poder não está concentrado na mão de uma pessoa, por mais votos que ela tenha recebido. Eu recebi 3,3 milhões de votos. Isto não me dá autoridade para passar por cima do Parlamento, para deixar de ouvir quem pensa diferente, para respeitar as manifestações. Pelo contrário, me dá uma enorme responsabilidade de coordenação de esforços para puxarmos na mesma direção e na velocidade correta. Quem manda no país é a Constituição Federal”, afirmou.

A manifestação foi feita na saída do café da manhã das bancadas federal e estadual gaúchas, na Assembleia Legislativa. Leite citou como exemplo as tensões ocorridas durante a tramitação do pacote de reforma administrativa e previdenciária do governo gaúcho para estabelecer diferenças com a esfera federal. O tucano disse que o Executivo estadual trabalhou dialogando com sindicatos, associações, e recebeu sugestões, incorporando mudanças em reuniões com o Parlamento.

“Fizemos uma reforma muito mais profunda do que as de outros estados e não teve socos e pontapés em plenário, não teve gente com arma em punho, não teve Batalhão de Choque dentro da Assembleia, as galerias ficaram abertas. Porque trabalhamos para distensionar e não fazendo provocações. O que a gente tem visto no cenário nacional é um caminho contrário. Este tensionamento, esta provocação constante, não é saudável para o pacto federativo”, declarou.

Questionado sobre as novas manifestações de Bolsonaro a respeito do ICMS, Leite repetiu que a postura adotada pelo presidente estressa as relações federativas. “Primeiro, não é verdade que tenha caído zero na bomba o preço da gasolina. A nota fiscal eletrônica nos permite, por exemplo, identificar uma redução de R$ 0,20 no preço médio do combustível em Porto Alegre desde o início do ano. Segundo, as reduções não são feitas por determinação do presidente, é importante que se diga isso. Elas são feitas porque está caindo o preço do barril de petróleo no mercado internacional e esta nova disputa comercial entre Arábia Saudita e Rússia poderá levar a uma nova queda. Então, não vai ser por determinação do presidente”.

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

2 Comentários

  1. Existe uma dificuldade de apreensão de algumas pessoas que defendem um determinado tipo de fazer politica. Eduardo Leite elegeu-se com um estelionato eleitoral só comparável ao de Tarso, o intelectual. Faz reformas que o governo anterior não conseguiu só porque a bancada do partido que estava no poder colabora, caso contrário não aprovaria nada. Alás, não passa nada que o MDB não queira na AL. Tudo isto é colocado de lado, como ele é ‘otoridade’, ocupa um cargo, é colocada a opinião dele valesse alguma coisa, como se esta balela de ‘dialogo’ realmente tivesse algum efeito. Pergunta: o PT apoiou as reformas devido ao ‘dialogo’?
    Não sei qual a palavra certa, falsidade ou hipocrisia. A noticia boa é que este governo federal vai terminar, a imbecilidade de alguns não.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo