COVID-19. Prefeitos de 39 municípios das Missões e Fronteira Oeste se rebelam contra a troca de bandeira

COVID-19. Prefeitos de 39 municípios das Missões e Fronteira Oeste se rebelam contra a troca de bandeira

COVID-19. Prefeitos de 39 municípios das Missões e Fronteira Oeste se rebelam contra a troca de bandeira - 6af6873a-maiquel-prefeitos-missóes

Prefeito de Santo Ângelo, Jacques Barbosa, reuniu seu secretariado neste domingo para discutir a não implantação da bandeira vermelha

Por MAIQUEL ROSAURO (com foto de Fernando Gomes/Prefeitura de Santo Angelo), da Equipe do Site

As novas determinações do governo do Rio Grande do Sul contra a disseminação da covid-19 transformaram-se em uma crise política no interior do Estado. No domingo (14), duas associações que representam 39 municípios anunciaram que não cumprirão as medidas da bandeira vermelha definidas sábado (13) e, por consequência, não fecharão o comércio neste início de semana.

Os primeiros a se rebelarem foram os 26 prefeitos da Associação dos Municípios das Missões (AMN), que realizaram uma videoconferência para tratar do assunto. Eles decidiram manter seus decretos municipais com medidas de restrições em bandeira laranja. Também ficou definido que encaminharão um documento ao Palácio Piratini contestando os critérios de distanciamento controlado que colocaram a região na bandeira vermelha.

O chefe do Executivo de Santo Ângelo, Jacques Barbosa (PDT), confirma a decisão do grupo e argumenta que aguardará posição do governo do Estado sobre a revisão dos critérios avaliados. Neste domingo, ele reuniu seu secretariado para tratar do tema.

“Seguiremos na bandeira laranja. Medidas mais restritivas somente após a revisão dos indicadores do Governo do Estado. Estamos contestando pela saúde da população e pela economia de Santo Ângelo e da região”, afirma Barbosa.

A Associação dos Municípios da Fronteira Oeste (AMFRO), composta por 13 cidades, decidiu seguir o mesmo exemplo e contestará os dados do Piratini.

“Nós, prefeitos da AMFRO, não concordando com os critérios adotados, estamos questionando o governo estadual e até que isso nos seja esclarecido manteremos a Bandeira Laranja”, informa o prefeito de São Gabriel, Rossano Gonçalves (PL).

 

Vermelho

A reclassificação para bandeira vermelha atinge um total de 116 municípios em quatro regiões: Caxias do Sul, Santa Maria, Santo Ângelo e Uruguaiana. A determinação passa a vigorar nesta segunda e segue por duas semanas.

As mudanças decorrem de dois fatores: a contínua piora dos indicadores de propagação e de capacidade do sistema de saúde e a revisão dos indicadores e dos pontos de corte realizada pelo Estado, que tornou o modelo mais sensível à evolução da doença e ampliou as restrições às situações mais críticas da pandemia.

“Os indicadores dessas regiões apuram que há aumento de contágio e menor disponibilidade hospitalar de atendimento. Não é motivo para pânico, mas é um alerta de que precisamos reduzir essa velocidade de contágio para evitar que, lá na frente, haja um colapso do sistema hospitalar. É assim que conseguiremos proteger a todos no nosso Estado. Reforço meu apelo a todos aqueles que estão nessas regiões para que atendam às diretrizes dos protocolos, e a todos que puderem, que fiquem em casa”, declarou, sábado (13), o governador Eduardo Leite (PSDB).

Membros da Associação Municípios da Fronteira Oeste (AMFRO)

Alegrete

Barra do Quaraí

Maçambará

Manoel Viana

Itacurubi

Itaqui

Rosário do Sul

Santa Margarida do Sul

Sant’Ana do Livramento

São Borja

São Gabriel

Quaraí

Uruguaiana

Membros da Associação dos Municípios das Missões (AMN)

Bossoroca

Caibaté

Cerro Largo

Dezesseis de Novembro

Entre-Ijuís

Eugênio de Castro

Garruchos

Giruá

Guarani Das Missões

Mato Queimado

Pirapó

Porto Xavier

Rolador

Roque Gonzales

Salvador das Missões

Santo Ângelo

Santo Antônio das Missões

São Borja

São Luiz Gonzaga

São Miguel das Missões

São Nicolau

São Paulo das Missões

São Pedro do Butiá

Sete de Setembro

Ubiretama

Vitória das Missões



2 comentários

  1. O Brando

    Dudu Milk mente, vide o fluxo de caixa. Rede BullShit mente, vide o ‘cientifico’ nosso de cada dia.
    Quando lançou as sinaleiras Dudu afirmou ‘não tem nenhuma região com verde porque não dá’, afirmou também que o critério era ‘70% saúde, 30% economia’. Esta gravado.
    É sabido que as piores semanas para doenças respiratórias são a 26 e 27. Por coincidência no final da semana 24 (iniciamos a 25) os critérios são alterados o que, segundo os espertos, não alteraria nada nas bandeiras do passado (ou seja ‘la garantia soy yo’, nada de errado foi feito), começariam a ser utilizadas projeções (chutes com equações). Por coincidência o estado vira quase todo colorado.
    Por coincidência testam um novo discurso por aí, ‘não é culpa de ninguém, é do vírus’.
    Alás, só do Covid existe estatística, é a única doença que existe no RS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *