Câmara de VereadoresPolítica

CÂMARA. Projeto que torna academias essenciais é inconstitucional, diz parecer da Procuradoria Jurídica

Vereadores João Ricardo Vargas e Francisco Harrisson desejam que as academias sigam abertas, mesmo em tempos de calamidade pública

Por MAIQUEL ROSAURO (com foto Pixabay/Reprodução), da Equipe do Site

A Procuradoria Jurídica da Câmara de Vereadores divulgou parecer pela não tramitação do Projeto de Lei 9111/2020, que reconhece a prática da atividade física e do exercício físico como essenciais em Santa Maria. Os autores da proposta são os vereadores João Ricardo Vargas (PP) e Francisco Harrisson (MDB).

O projeto estabelece que as academias de musculação, ginásticas, natação, hidroginástica, artes marciais e as demais modalidades esportivas como atividades essenciais à saúde, mesmo em período de calamidade pública. Ou seja, estes locais não poderiam ser fechados por decretos da Prefeitura durante, por exemplo, uma pandemia.

A análise da Procuradoria Jurídica considera que o projeto tem vício de inconstitucionalidade decorrente da incompetência dos vereadores para legislarem sobre a matéria.

“Nem o enfrentamento à pandemia nem o direito fundamental à Saúde é uma exclusividade do Município de Santa Maria, que se vê, portanto, absolutamente incompetente para criar suas próprias exceções e definir o que é ou não atividade essencial, em dissonância ao sistema de enfrentamento vigente e em inegável prejuízo ao próprio esforço conjunto dos demais Entes federados”, diz trecho do parecer jurídico.

O mesmo entendimento teve o Ministério Público, o qual alertou os vereadores, na semana passada, que a iniciativa é inconstitucional (AQUI).

A análise da Procuradoria Jurídica é opinativa e não tranca a tramitação. Como a proposta não envolve impacto financeiro, não passará pela Assessoria Técnica da Casa. Logo, o projeto vai direto para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Caso os vereadores da CCJ também optem pela não tramitação, Vargas e Harrisson terão que apresentar um requerimento reivindicando o prosseguimento do projeto. Se eles silenciarem, a proposta será arquivada.

CLIQUE AQUI PARA LER O PARECER JURÍDICO NA ÍNTEGRA

Igrejas

Diante do parecer contrário ao trâmite do projeto das academias, crescem nos bastidores as especulações de como será o posicionamento da Procuradoria Jurídica quanto ao Projeto de Lei 9114/2020, de autoria de Alexandre Vargas (Republicanos), que torna igrejas, templos religiosos de qualquer culto e as Comunidades Missionárias atividades essenciais.

A tendência é de que o parecer do projeto seja divulgado na próxima semana.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

2 Comentários

  1. Se o MP não entra no circuito o parecer poderia ser outro. Se for feito um pente fino na legislação municipal inconstitucionalidades é que não irão faltar.
    Academias obviamente estão com dificuldades financeiras. São essenciais antes das pandemias, durante é discutível.
    Igrejas são essenciais, problema é que o caminho tomado para reconhecer isto foi errado.
    Questão toda é o tal ‘oportunismo’ que é muito mais eleitoral do que politico.

  2. Muito inteligente o parecer. Técnicos são técnicos os advogados honrando a profissão. Ministério Público tinha que ter pensado antes de entrar em jogo político vergonhoso da prefeitura se antecipou a toa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo