CongressoDestaqueTrabalho

TRABALHO. Servidores federais iniciarão 2021 com mobilizações contra a Reforma Administrativa

Reunião nacional das entidades do funcionalismo está marcada para o dia 5

Deputados contrários à reforma administrativa também planejam articulação para o mês de janeiro (Imagem de Reprodução Fenasefe)

Da Assessoria de Imprensa da Seção Sindical dos Docentes da UFSM (Sedufsm) / Por Bruna Homrich

Os servidores públicos brasileiros já vão iniciar o próximo ano com mobilização. Logo nos primeiros dias – 5 de janeiro -, o Fórum Nacional de Entidades dos Servidores Federais (Fonasefe) fará uma reunião para definir uma agenda de atividades contra a reforma administrativa. Durante a Plenária Nacional da Educação, o dirigente do Sinasefe, David Lobão, acrescentou que a defesa da vacinação contra a Covid-19 para todos os servidores também estará na pauta da reunião.

A reforma administrativa foi encaminhada pelo governo Bolsonaro ao Congresso Nacional no último dia 3 de setembro, sob a forma da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32/20. A votação do tema, contudo, foi adiada para o próximo ano. Segundo divulgado no jornal Extra, o presidente da Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público, deputado Professor Israel Batista (PV-DF), afirmou que os deputados contrários à PEC seguirão tentando adiar a discussão na Câmara.

Assim como o Fonasefe, a Frente parlamentar também perspectiva realizar reuniões a partir da segunda semana de janeiro, a fim de definir qual será a estratégia de resistência do semestre.

Rechaço

A reforma administrativa vem conquistando o rechaço tanto das entidades representativas de servidores públicos quanto de amplos setores da sociedade civil, preocupados com a preservação dos serviços públicos como maior patrimônio da população brasileira. Exemplo disso é o documento intitulado “Mandado de Cidadania” e assinado pela Confederação Nacional dos Servidores Públicos em parceria com mais 15 entidades. Ao todo, as entidades que assinam o manifesto, enviado aos 513 deputados federais, representam mais de um milhão de servidores públicos.

No texto, as entidades tentam sensibilizar os parlamentares para que votem contrários à reforma, quando essa entrar em pauta. Outra reivindicação contida no documento é de que a PEC só seja colocada em votação de forma presencial e após a vacinação efetiva contra o coronavírus…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Brasil, nada funciona e nada pode ser modificado. Querem mais gente e mais dinheiro. Quantos servidores são necessários para trocar uma lâmpada? Dez. Um para segurar a lâmpada e quatro para girar a escada. Cinco ficam com a mão nos quadris olhando.

Deixe uma resposta para O Brando Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo