DestaqueEstado

ASSEMBLEIA. Aprovada autorização para que o governo gaúcho compre vacinas contra a Covid-19

Decisão foi tomada por unanimidade, na primeira sessão deliberativa do ano

Sessão deliberativa teve formato virtual, conduzida pelo presidente Gabriel Souza desde o plenário (foto Joel Vargas/Assembleia)

Da Agência de Notícias da Assembleia Legislativa / Por Olga Arnt (*)

Na primeira sessão deliberativa virtual de 2021, realizada na tarde desta terça-feira (23), a Assembleia Legislativa aprovou o PL 11/2021, do Poder Executivo, que altera a Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2020 para permitir a compra de vacinas  contra a Covid-19. A matéria foi aprovada por unanimidade.

Foram apresentadas duas emendas ao projeto, que não chegaram a ser apreciadas pelo plenário em função da aprovação de um requerimento de preferência do líder do governo, deputado Frederico Antunes (PP), para votação do texto original. Uma delas, de autoria do deputado Giuseppe Riesgo (NOVO), incluía na lei mecanismos de fiscalização da execução de emendas parlamentares. E a outra, apresentada pelo deputado Pepe Vargas (PT), tratava da destinação de recursos advindos de eventuais privatizações.

Durante a discussão do projeto, os petistas lembraram que o posicionamento da bancada na votação da manutenção das alíquotas majoradas de ICMS no final do ano passado está viabilizando a compra de vacinas para imunizar a população contra o coronavíruis. Pepe ressaltou que, na ocasião, o PT condicionou o voto favorável ao aumento dos tributos ao compromisso do governo gaúcho de comprar imunizantes.

Deputados da base governista, no entanto, discordaram. Sérgio Turra (PP) afirmou que “a compra de vacinas foi uma desculpa mixuruca que o PT arranjou para votar favorável ao aumento de impostos”. Segundo ele, a Assembleia Legislativa adotou, desde o início da pandemia, uma postura colaborativa e não iria se negar agora a dar a autorização para que o Executivo adquirisse os imunizantes.

Não faltaram também críticas à atuação do governo federal na gestão da pandemia. “Há responsáveis pela tragédia que estamos vivendo, a começar pelo governo federal, que desdenhou da pandemia e não garantiu o isolamento social”, apontou a deputada Luciana Genro (PSOL).

O deputado Eric Lins (DEM) contra-argumentou, ressaltando que a responsabilidade é solidária entre todos os entes federativos. Afirmou também que o STF impôs limitações às ações da União na pandemia e que a testagem em massa, defendida por alguns setores, é uma “muleta argumentativa”, que tem pouco efeito na disseminação do vírus…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

(*) O assunto voltará ao site mais tarde, no início da madrugada.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo