DestaqueEstado

JUSTIÇA. Quantidade de cargos de confiança na Assembleia pode ser inconstitucional, apura MP

MP/RS, neste caso, não investiga nenhum deputado especificamente

Por Assessoria de Imprensa do MP/RS

Estudo técnico-jurídico analisará a legislação gaúcha. Foto Divulgação

A Promotoria de Justiça do Patrimônio Público remeteu ao Gabinete do Procurador-Geral resultado de inquérito instaurado para apurar denúncia sobre excesso de cargos em comissão providos na Assembleia Legislativa. Conforme conclusão do inquérito, há elementos que podem justificar análise de possível inconstitucionalidade de lei estadual sobre o tema, no que se refere ao parâmetro de proporcionalidade entre cargos comissionados e funcionários concursados.

Por se tratar de atribuição do Procurador-Geral de Justiça, caberá agora a ele decisão sobre o referido fato. Segundo Fabiano Dallazen, antes de qualquer decisão, é preciso análise acurada e aprofundada do ponto de vista jurídico-constitucional, que já está sendo realizada pela sua assessoria.

“Todas as decisões dos tribunais até agora se referem ao Poder Executivo, cuja natureza dos serviços é diferente. Desta forma, por se tratar do Poder Legislativo, que ainda não foi objeto desta análise, impõe-se novo estudo técnico-jurídico para que seja possível decidir se a lei estadual fere, em algum dos seus dispositivos, a Constituição Federal”, afirma.

Ainda, de acordo com o PGJ, o MP/RS, neste caso, não investiga nenhum deputado especificamente, mas sim a constitucionalidade da legislação aplicada.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo