Câmara de VereadoresDestaque

BASTIDORES. Projetos e seus atalhos, vacinação e ausência de líderes de governo e oposição na Casa

Projetos recebem selo de urgência na esperança de tramitar no Parlamento

Sessões são realizadas on-line durante a vigência da bandeira preta do modelo de Distanciamento Controlado (Foto Reprodução)

Por Maiquel Rosauro

Os vereadores de Santa Maria aprovaram, na sessão desta terça-feira (9), requerimentos que autorizam três projetos de lei a tramitarem em regime de urgência na Casa. Esta é a forma que os parlamentares encontraram para dar celeridade para suas propostas, já que as reuniões das comissões (onde as iniciativas são analisadas antes de chegar em plenário) estão suspensas na vigência da bandeira preta do modelo de Distanciamento Controlado.

Ganharam regime de urgência: proposta liderada por Pablo Pacheco (PP) que estabelece como essenciais atividades educacionais; projeto de Ricardo Blattes (PT) e Alexandre Vargas (Republicanos) que dá prioridade à vacinação contra covid-19 de profissionais da segurança pública; e a proposta de Paulo Ricardo Pedroso (PSB) que estabelece prioridade à vacinação de profissionais de serviços essenciais que entram em contato direto com a sociedade.

Tempos modernos

Se você prestou atenção no primeiro parágrafo desta coluna deve estar se perguntando: mas como os vereadores vão fazer seus projetos tramitarem se as comissões estão inoperantes? Esta resposta deve vir nos próximos dias e será construída no grupo de WhatsApp dos parlamentares.

Calma pessoal!

O vereador Admar Pozzobom (PSDB) está preocupado com a quantidade de projetos que estão sendo protocolados para garantir a prioridade de vacinação a determinados grupos da sociedade. O tucano disse que não é contra as iniciativas, mas defende vacina para todos.  

Sem líderes

Hoje é dia 10 de março e, até o momento, nem o governo de Jorge Pozzobom (PSDB) e nem a oposição – o que incluiu PP, MDB, PDT e PSB; e PT e PCdoB – definiram seus líderes no Parlamento.

A falta de definição já começa a incomodar, pois os parlamentares não podem, por exemplo, pedir o tempo de liderança da oposição ou do governo durante seus discursos.  

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Onde fica a transparência do parlamento. Como o cidadão faz para acompanhar os atos do vereadores (as comissões não deveriam ser abertas para o público acompanhar?). Ou hoje com a desculpa da pandemia só pode ter acesso a sessão?!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo