DestaqueUFSM

MEMÓRIA. Morre ex-reitor da UFSM, Derblay Galvão

Engenheiro agrônomo, estava com 93 anos. Falecimento ocorreu na sexta (16)

Professor Derblay Galvão esteve à frente da UFSM entre os anos de 1978 e 1981. Foto Divulgação

Por Assessoria de Comunicação do Gabinete do Reitor

A Universidade Federal de Santa Maria declara luto oficial por três dias, a partir de sexta-feira, 16, devido ao falecimento do professor Derblay Galvão, ex-reitor da UFSM, que esteve à frente da Universidade entre os anos de 1978 e 1981.

O engenheiro agrônomo estava com 93 anos. Venceu a COVID-19 em 2020, se reestabeleceu, porém acabou falecendo nesta sexta-feira, 16, por complicações no pulmão decorrentes de pneumonia.

A cremação ocorre hoje, 17, em Brasília e as cinzas serão depositadas na Igreja São João Dom Bosco, em Brasília/DF, junto com sua esposa Margarida Odette e um de seus filhos.

A UFSM lamenta e manifesta seus sentimentos de pesar e solidariedade aos familiares, aos amigos e à comunidade universitária da Instituição.

Sobre Derblay Galvão
Filho de Gennaro Galvão e Ayda Collares Galvão, nasceu em Montenegro no dia 16/03/1928. Formou-se em Agronomia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Sua relação com a UFSM começou em 1962 quando foi convidado para ser professor na Faculdade de Agronomia – curso do qual viria a ser coordenador. Nesta época ainda trabalhava como engenheiro agrônomo no Instituto Rio-Grandense do Arroz (Irga). Foi nomeado e empossado em 01/03/1962, no cargo de instrutor de Ensino Superior, e reconduzido para o exercício em 1963.

Em janeiro de 1966 foi Presidente do IRGA à disposição da Universidade por um ano e também respondeu pela Chefia do Departamento de Engenharia Rural da Faculdade de Agronomia. Em 19 de maio de 1966 tomou posse no cargo de diretor dessa Faculdade.

Em 3 de junho de 1969 foi designado diretor da Operação Oswaldo Aranha. Em 17 de dezembro de 1969 foi declarado membro do COPERTIDE da UFSM. Foi designado para tomar e propor medidas administrativas e didáticas ao plano de reestruturação da UFSM, aprovado pelo Conselho Federal de Educação. Em janeiro de 1970 foi encarregado das festividades alusivas do 10º Aniversário da UFSM.

A partir de março de 1970 passou a responder pelo Centro de Ciências Rurais. Em julho de 1970 participou da Comissão do anteprojeto de Regimento Geral da UFSM. Em 25 de setembro de 1970 foi designado para diretor nacional do projeto UNDP/FAO/SF/BRA-33 – Educação e Pesquisa Agrícola na UFSM – Projeto Oswaldo Aranha.

Em março de 1972 foi designado para presidir festejos comemorativos ao Sesquicentenário da Independência Política do Brasil. Em março de 1972 foi designado para a Segunda Conferência Nacional de Tecnologia da Educação Aplicada ao Ensino Superior, realizada de 14 a 19 de janeiro de 1983.

Em outubro de 1972 foi designado para Comissão de Honra do 1º Encontro Nacional de Cartografia. Em fevereiro de 1973 foi executor do termo aditivo ao convênio assinado entre CENAFOR e a UFSM.

Em abril de 1974 foi designado para a comissão permanente para trabalhar, organizar e preparar as exposições feiras agropecuárias de Santa Maria. Em setembro de 1974 foi designado Pró-Reitor dos cursos de Pós Graduação para formar comissão para classificar candidatos ao sexto curso de Pós-Graduação em Educação.

Em outubro de 1974 presidiu a comissão para realizar levantamentos dos danos acusados pelo temporal que se abateu no campus da cidade universitária, colégios de Alegrete, Frederico Westphalen, São Vicente do Sul e Jaguari, na madrugada de 24 de outubro de 1974.

Foi Presidente do VII Festival Hípico da UFSM ocorrido de 3 a 5 de dezembro de 1976. Galvão foi o terceiro reitor da UFSM, tendo sido antecedido no cargo pelo fundador da universidade, José Mariano da Rocha Filho (1960-1973), e por Hélios Homero Bernardi (1973- 1977).

O período em que Derblay Galvão administrou a reitoria da UFSM (11-12-1977 a 10-12-1981) coincidiu com a segunda metade do governo de Ernesto Geisel. Essa época abriga atos de considerável arbitrariedade, como o Pacote de Abril e a Lei de Segurança Nacional, mas também o início do enfraquecimento do poder militar, com, por exemplo, a revogação do AI5.

Derblay Galvão falava que durante sua gestão “as dificuldades orçamentárias eram muitas. Havia uma luta constante pela obtenção de recursos”. Porém, Derblay apontava diversos avanços para a época, como a “conclusão do Hospital Universitário e do centro de convivências do Restaurante Universitário, além da urbanização, a qual deu um tom bastante paisagístico à Universidade”.

Mudou-se para Brasília em 1982 quando foi convidado para assumir um cargo no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), alternando este trabalho com outros cargos no Ministério da Educação.

Casado com Margarida Odete Galvão (In memorian), aposentado e pai de sete filhos, atuava como representante e “embaixador” da UFSM em Brasília. Em 2010 foi agraciado com a Medalha Coração do Rio Grande concedida para os cidadãos que contribuíram para o progresso de Santa Maria.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. ‘Essa época abriga atos de considerável arbitrariedade, como o Pacote de Abril e a Lei de Segurança Nacional, mas também o início do enfraquecimento do poder militar, com, por exemplo, a revogação do AI5’.Vermelhinhos, pela falta de respeito e de talento, enfiam politica até em anúncio fúnebre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo