DestaqueEducação

UFSM. Docentes recebem primeira dose da vacina “anticovid”, mas a presencialidade ainda é insegura

Retorno seguro só com a vacinação dos estudantes, diz dirigente da Sedufsm

Equipe responsável pela vacinação dos professores da Universidade na última terça-feira, dia 8 (foto Arquivo Pessoal)

Por Bruna Homrich / Da Assessoria de Imprensa da Seção Sindical dos Docentes do UFSM (Sedufsm)

Na última terça-feira, 8 de junho, foi a vez de os professores e professoras da UFSM receberem a primeira dose da vacina contra a Covid-19. Na data, também foram vacinados(as) técnico-administrativos(as) em educação e trabalhadores(as) terceirizados(as). Segundo dados da Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas (PROGEP), 2.355 servidores(as) e 645 funcionários(as) terceirizados(as) receberam o imunizante. 

Desde cedo, o Facebook estava repleto de fotos de docentes sendo vacinados e referenciando o trabalho da ciência, dos(as) pesquisadores(as) e do Sistema Único de Saúde (SUS). José Iran Ribeiro, docente do departamento de Metodologia do Ensino da UFSM e integrante do Conselho de Representantes da Sedufsm, foi um dos responsáveis por essas postagens. Em entrevista ao site da Sedufsm, ele conta que, enquanto aguardava na fila da imunização, era tomado de contentamento e ansiedade.

“Foi muito tempo esperando isso. Tem o sentimento de ser um privilegiado, porque a maioria da população ainda não tem acesso à vacina. Mas fiquei muito feliz no sentido de estar colaborando para que a pandemia diminua, pois um maior número de pessoas vacinadas significa diminuição de casos e óbitos. Fiquei feliz também por ver tantas pessoas queridas, colegas de trabalho, pessoas que gostamos, admiramos, sentimos saudade em função do afastamento nesse tempo todo, sendo vacinadas. É um misto de alegria e indignação porque demorou tanto para chegar, e hoje em dia sabemos que era possível que tivesse chegado antes, mas por decisões políticas, na minha opinião muito equivocadas, do governo federal isso não aconteceu”, comenta Ribeiro.

Desde o início estando na linha de frente da vacinação contra a Covid-19 em Santa Maria, a professora Teresinha Weiller, diretora da Sedufsm, diz que enfim ver seus colegas de universidade serem vacinados foi de uma emoção muito grande.

“Fui uma grande militante em defesa da reforma sanitária e da constituição e consolidação do SUS. Então, participar da campanha em plena pandemia é a minha contribuição. Nós lutamos tanto para constituirmos um sistema de saúde público, universal, gratuito e de qualidade. Agora, uma das questões mais importantes é reafirmamos seu papel”, destaca a dirigente, defendendo que o processo de vacinação deveria estar liberado pra todos(as) os(as) brasileiros(as) acima de 18 anos, mas que, por decisões políticas do governo federal, a imunização está andando num ritmo aquém do necessário.

Outro aspecto destacado por Teresinha é o envolvimento dos(as) estudantes com o as ações de combate à pandemia. “Também é um momento de formação e aprendizado dos alunos que estão ali tendo a possibilidade de interagir nesse processo de humanização da assistência. Tem sido gratificante porque sempre acreditei que o SUS tinha e tem esse papel”, destaca a professora, que integra o departamento de Enfermagem da UFSM.

Hora de retornar?

Com a notícia da vacinação de professores(as) federais, alguns setores já começaram a pressionar pelo retorno das aulas presenciais na universidade.

 “A vacina é uma esperança. Na terça, os(as) professores(as) tomaram a primeira dose dessa esperança”, diz Teresinha. Mas ela também assegura: não é, nem de perto, momento de retornarmos à presencialidade.

Primeiramente porque apenas a primeira dose da vacina não garante a imunização contra a Covid-19. Apenas 21 dias após a aplicação da segunda dose é que o nosso sistema imunológico teria condições efetivas de combater a doença. “Portanto voltar a partir da primeira dose é uma insanidade. Todos os estudos, epidemiologistas e infectologistas têm dito que, contra a Covid-19, só temos duas armas: a vacina com as duas doses, e o distanciamento social. Então para voltar aos ambientes de trabalho, docentes, técnico-administrativos(as) em educação, terceirizados(as) e alunos(as) devem, necessariamente, ter recebido as duas doses, senão estaremos criando um ambiente propício à circulação de novas cepas do vírus”, esclarece Teresinha. Só quando tivermos entre 70% e 80% da população vacinada com as duas doses é que começaremos a tirar o vírus de circulação, garante a diretora da Sedufsm.

Ela acrescenta que algumas pessoas vinculadas à área da saúde – tanto trabalhadores(as), quanto pesquisadores(as) e estudantes – já receberam a vacina em função de uma demanda do próprio sistema de saúde.

Para Ribeiro, também não é momento de retorno. “Os alunos não foram vacinados, então colocar 40 ou mesmo 20 pessoas dentro da sala de aula sem que essas pessoas estivessem vacinadas seria um prejuízo muito grande não só para a universidade, mas para a cidade. O retorno presencial significa que mais pessoas teriam que retornar para Santa Maria, circular pela cidade, usar ônibus, supermercado, estando sujeitas a serem contaminadas e também a contribuírem para que os casos na cidade aumentassem significativamente”, opina o docente…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo