Artigos

A unidade dos santa-marienses pela vinda da ESA – por Michael Almeida Di Giacomo

Trata-se, a união dos locais, do maior legado da luta pela Escola de Sargentos

Chimangos x Maragatos; gremistas x colorados; tradicionalistas x progressistas; gaúcho do campo x gaúcho de apartamento… Esses são alguns poucos exemplos do quanto o povo gaúcho é binário na forma de expressar suas vontades, seus ideais, suas características. 

E não foram poucas as vezes que a implantação de uma política pública, a realização de obra importante, somente foi possível após muita “peleia”.

Por vezes, como no caso da revitalização do Cais Mauá, ao longo da Avenida Mauá, em Porto Alegre – que teve sua primeira proposta de revitalização pelo Governo do Estado ainda no ano de 1995 – somente no mês de janeiro de 2021 é que foi realizada a assinatura da concessão à iniciativa privada da bela estrutura à beira do Guaíba.

Agora, desde abril, com implantação do Cais Embarcadero – complexo de restaurantes, bares e espaço de lazer –  é possível aos porto-alegrenses, e aos turistas, desfrutar de um ambiente com vista privilegiada e que por anos, décadas, esteve absorta no obscurantismo e distante do dia a dia das pessoas.

Devido a essa cultura – muito bem enraizada em nosso “pago” – é que a unidade dos agentes políticos, das forças empresariais, da sociedade civil organizada, e, certamente, de cada santa-mariense, para a vinda da Escola de Sargentos das Armas – ESA, deve ser saudada e sempre lembrada.

O legado material, por meio de aporte financeiro, é tido como extraordinário para um município como Santa Maria que teve no seu passado – distante – grandes investimentos por meio da Ferrovia e da Universidade Federal, cada qual a elevar a cidade à condição de polo regional e referência nacional.

Eu, neto de ferroviário e filho de servidor da UFSM, sei a importância dessas instituições às famílias, à nossa formação e à vida da cidade. É realmente singular.

Conforme matéria veiculada no Jornal Diário de Santa Maria – assinada pelos jornalistas Marcelo Martins e Maurício Araújo – no que tange aos recursos financeiros a serem investidos e a projeção de recursos futuros por meio dos soldos dos alunos e demais militares da escola – poderá representar um aporte de 1,2 bilhão na economia da cidade.

Não é de se olvidar que esse será um grande legado.

Mesmo sendo possível asseverar que nem todo o soldo militar será gasto no comércio de Santa Maria – visto que o comércio on-line é uma realidade cada vez mais presente em nossas vidas; que muitos militares – ou a maioria – não deixam de ter relações com suas cidades natal. Também que será construída uma Vila Militar, a dar pouca margem ao sistema imobiliário de receber novos inquilinos – o fato é que a robustez do investimento realmente beneficiará a cidade.

Agora, na minha modesta opinião, o maior legado que estamos a vivenciar até o momento é algo já tangível a todos e todas – e que não depende da vinda da ESA – eu me refiro da capacidade de unidade das forças da cidade na atração de investimentos que terão reflexos diretos na implantação de políticas públicas e melhorias para o município.

Sob a liderança do Prefeito Jorge Pozzobom, Santa Maria é exemplo de uma ação que une a turma do coloradinho e do rio-grandense, que já faz parte de nossa história.

Que tenhamos nessa caminhada o exemplo para inúmeras outras conquistas para os santa-marienses. E nunca esqueçamos nosso maior legado, a unidade.

(*) Michael Almeida Di Giacomo é advogado, especialista em Direito Constitucional e Mestre em Direito na Fundação Escola Superior do Ministério Público. O autor também está no twitter: @giacomo15.

Nota do Editor: a foto (sem autoria determinada) do “Cais Embarcadero” foi reproduzida do site “Detalhes Mágicos”, de Porto Alegre (AQUI)

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. ‘Sob a liderança do Prefeito Jorge Pozzobom’, kuakuakuakuakua! Pergunta que não quer calar, Indigesto virou vermelhinho ou os vermelhinhos tucanaram?
    No mais cada um se engana como bem lhe aprouver.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo