DestaqueEducação

EDUCAÇÃO. O “pós-greve” dos professores do município na agenda da Prefeitura e do Sinprosm

As duas partes se reúnem virtualmente, após o fim da paralisação ambiental

Por Paulo André Dutra / Da Assessoria de Imprensa do Sindicato dos Professores Municipais (Sinprosm)

Com a decisão pelo encerramento do movimento grevista dos professores municipais, tomada em assembleia na última segunda-feira (5), a coordenação do Sindicato dos Professores Municipais de Santa Maria solicitou reunião com a administração municipal para iniciar tratativas sobre o acordo do fim da greve ambiental.

O primeiro encontro aconteceu no final da manhã desta sexta-feira (9), de forma virtual. O comando de greve se fez presente com a assessoria jurídica, bem como o prefeito Jorge Pozzobom, secretária Lúcia Madruga e demais membros do governo.

LEIA TAMBÉM:

Prefeitura e Sindicato dos Professores Municipais (Sinprosm) se reúnem para debater acordo de greve”, de Joyce Noronha, da Assessoria de Imprensa da Prefeitura Municipal (AQUI)

Coordenadora de Organização e Patrimônio do Sinprosm, Martha Najar apresentou os pontos a serem discutidos: retorno às atividades presenciais de forma lenta, gradual e escalonada; não recuperação de carga-horária, já cumprida no ensino remoto; garantia de autonomia na organização dos calendários, de acordo com as especificidades das escolas; garantia na nova instrução normativa de dois dias em trabalho presencial e dois dias de trabalho remoto em casa; manutenção do trabalho remoto aos professores com comorbidades e que coabitam com familiares nessa condição; fiscalização para o cumprimento dos planos de contingência, principalmente turmas com alunos em número acima da capacidade; fornecimento de óculos e aventais para a educação infantil; atenção à carga-horária de professores na articulação entre ensino presencial e remoto.

Alguns tópicos foram respondidos durante a reunião. Lúcia confirmou que a substituição do “face shield” pela máscara na educação infantil está encaminhada e os aventais estão sendo adquiridos. A superintendente pedagógica da SMEd, Gisele Bauer, concorda que não há carga-horária a ser recuperada.

Garantiu que as escolas tem autonomia para a organização do calendário, com base no regramento que está em discussão no Conselho Municipal de Educação. Segundo ela, o atendimento presencial será um suporte para o atendimento remoto bem feito.

Pozzobom propôs que um grupo formado por SMEd e Sinprosm discuta e elabore o acordo. Martha Najar e Gisele Bauer serão as componentes.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo