DestaqueSanta Maria

POLÍTICA. Riesgo confessa frustração com eleição municipal e aposta no fim de divergências no NOVO

Em entrevista, novista também se posiciona contra impeachment de Bolsonaro

Riesgo: “trabalharei fortemente para que, em 2024, tenhamos uma opção que renove a política de SM” (Foto Vinícius Reis/Agência AL)

Por Claudemir Pereira / Editor do Site

O deputado estadual Giuseppe Riesgo, em entrevista exclusiva ao editor, fala sobre as divergências internas de seu partido, o NOVO, tanto em nível nacional quanto estadual. E também traz questões sobre a agremiação em Santa Maria e no Estado.

A parte local e regional foi publicada na página que o escriba assina aos sábados (AQUI, na íntegra), no Diário de Santa Maria. Nela, o parlamentar, por exemplo, reconhece sua frustração em relação ao pleito municipal, e sua “preocupação” com o cenário politico local.

Riesgo se rejubila com o desempenho para o legislativo, mas… Olha o que ele disse: “Tivemos a formação de uma bancada mais liberal no Legislativo, mas a eleição à prefeitura foi, infelizmente, abaixo do esperado. Como eleitor santa-mariense me senti bastante frustrado com a eleição ao paço municipal. Eu amo Santa Maria. É nessa cidade que nasci, cresci e me desenvolvi. Nossa cidade precisa de mudança e modernização urgente”.

Interessante é a aposta do parlamentar, no futuro. Aqui: “trabalharei fortemente para que, em 2024, tenhamos uma opção que renove a política de Santa Maria”. Fica claramente implícita a possibilidade de um investimento político maior dele próprio no próximo pleito municipal.

De todo modo, também deixou claro que uma definição sobre seu prório futuro próximo, visando a 2022, acontecerá apenas em abril. Até lá, as discussões internas prosseguem. E em relação às divergências nacionais e estaduais? E o impeachment de Bolsonaro, que divide o NOVO? Há duas questões específicas colocadas eletronicamente a Riesgo. Confira ambas e suas respostas, na íntegra:

Site – O noticiário dá conta da divisão da bancada federal do partido. Parte dele segue a orientação de João Amoedo, que quer o impeachment do Presidente, e outro grupo não quer. Deste participa o gaúcho Marcel Van Hatten. Como o senhor se coloca diante desse quadro.

Giuseppe Riesgo – É inegável que no tema do impeachment há certa divisão no entendimento sobre os supostos crimes de responsabilidade do Presidente de República. Nessa pauta, acompanho o posicionamento do Deputado Federal Marcel Van Hattem. Assim, considero que as atuais acusações que pesam sobre o Presidente da República ainda carecem de materialidade para o enquadramento do crime de responsabilidade.

Creio que ainda não temos um enquadramento legal suficiente para a abertura de um processo de impeachment e que é de certa forma irresponsável bradar por isso a tão pouco tempo da próxima eleição. É importante reiterar que no sistema presidencialista processos dessa natureza são bastante longos e traumáticos à economia, ao sistema político e ao fortalecimento de nossas instituições. Por isso, é importante que se tenha prudência. A democracia e as instituições se fortalecem com a continuidade, não com a ruptura.

Nós entramos na política para atuar com independência e seriedade. Focando sempre na defesa convicta das ideias liberais e no enfrentamento dos gargalos que afligem a população brasileira, por décadas. Se enveredar na defesa de pautas que geram mais instabilidade política e institucional, ao meu ver, atualmente, não me parece adequado ao fortalecimento do Estado Democrático de Direito brasileiro.

Site – E no Rio Grande do Sul, também há essa divisão ou há posição CLARAMENTE majoritária em relação ao governo federal?

Giuseppe Riesgo – A atual divisão do NOVO acerca desse tema também ocorre aqui no Rio Grande do Sul. No entanto, não há uma posição propriamente majoritária para um lado ou outro. É algo absolutamente natural na leitura política de cada um dos filiados e mandatários do NOVO. O partido está em processo de amadurecimento e consolidação política. Divergências, nesse caminho, são absolutamente naturais. Creio que, brevemente, superaremos tais discordâncias e voltaremos a focar em propostas para melhorar nossa cidade, estado e país. É isso que importa. 

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Palavras do deputado à matéria do Diário de Santa Maria: “mas a eleição à prefeitura foi, infelizmente, abaixo do esperado. Como eleitor santa-mariense me senti bastante frustrado com a eleição ao Paço municipal. Eu amo Santa Maria. É nessa cidade que nasci, cresci e me desenvolvi. Nossa cidade precisa de mudança e modernização urgente. Precisamos apresentar algum projeto diferente e inovador para que Santa Maria, finalmente, cresça e se desenvolva socioeconomicamente.”

    Deputado, ora, se és merecedor do cargo que ocupa, deixe de lado o ego e trabalhe desde agora junto ao parlamento e executivo santa-mariense, de forma harmoniosa, para apresentar um projeto para Santa Maria. E nada foi abaixo do esperado, a população apenas fez a melhor escolha, a escolha racional, estaríamos fadados a um negacionismo em Santa Maria que custariam muito mais vidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo