DestaqueEconomia

SAÚDE. Vacinação, testagem e ômicron são temas de reunião entre Prefeitura e classe empresarial

Encontro ocorreu no final da tarde desta terça (11), na Administração Municipal

“Portanto, queremos colocar todos a par do que está acontecendo e pensar ações conjuntas”, afirmou o prefeito Jorge Pozzobom. Foto Alex Caceres / Prefeitura

Por Rafael Favero / Prefeitura de Santa Maria

O prefeito Jorge Pozzobom, o vice-prefeito Rodrigo Decimo e o secretário municipal de Saúde, Guilherme Ribas, reuniram-se com representantes da classe empresarial de Santa Maria no final da tarde desta terça-feira (11). O objetivo do encontro foi passar informações às entidades sobre a pandemia, o avanço da vacinação contra a Covid-19, o aumento da procura por testes e sobre o número crescente de casos positivos da variante ômicron do coronavírus.

“É importante este momento para sabermos a realidade que estamos vivendo. É impressionante a procura que está tendo pelas vacinas, tanto pela primeira dose quanto pela segunda dose atrasada e pela dose de reforço. Portanto, queremos colocar todos a par do que está acontecendo e pensar ações conjuntas”, afirmou o prefeito Jorge Pozzobom.

O secretário Guilherme Ribas ressaltou o caráter decisivo da vacinação para que os casos positivos não desenvolvam quadros graves da doença.

“Paralelamente aos cuidados já conhecidos, como o uso correto da máscara, o distanciamento e a higienização das mãos e do ambiente, a população precisa procurar a vacina. Em Santa Maria, têm sido aplicadas, em média, mais de 2 mil vacinas por dia. Essa reunião é fundamental para que possamos explicar o que a Prefeitura tem feito neste cenário que está modificado devido ao aumento da contaminação”, comentou o secretário.

Os integrantes da Prefeitura explicaram que, no momento, o Município trabalha com a ampliação dos serviços de testagem, no Centro de Referência da Covid-19 e nas unidades de saúde, e o reforço e o incentivo da vacinação. Outras eventuais medidas restritivas deverão passar também pelo crivo do Governo do Estado e dependem do impacto das contaminações no sistema hospitalar, aspecto que ainda não atingiu patamares constatados antes do início das imunizações.

“Saímos daqui com alguns pontos definidos, como o incentivo à vacinação e o incentivo à complementação do ciclo vacinal, ao mesmo tempo em que pensamos formas de ampliar ainda mais a testagem”, disse o presidente da Associação Rural de Santa Maria e vice-presidente da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Santa Maria (Cacism), Rodrigo Ribas.

O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Márcio Rabelo, revelou preocupação em evitar que o setor produtivo tenha que passar novamente por restrições no funcionamento. Ao mesmo tempo, ele concordou com a importância de a população ser vacinada.

“A Prefeitura está correta em propagar a vacinação, mas sabemos que essa variante não tem se mostrado tão agressiva. Então, temos que trabalhar com calma e pensando em formas de agilizar os testes e diagnósticos dos casos”, pontuou Rabelo.

A Prefeitura de Santa Maria aproveitou a reunião para incentivar que os empresários divulguem o pré-cadastro para vacinação das crianças de 5 a 11 anos. A plataforma está no site da Prefeitura e ficará disponível até domingo (16). Com base nesses dados, a Secretaria Municipal de Saúde irá organizar a logística de aplicação dos imunizantes no público infantil.

Também participaram da reunião o secretário municipal de Comunicação, Ramiro Guimarães, o presidente do Sindicato da Habitação (Secovi Centro Gaúcho), Antônio Odil de Castro, o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios (Sindigêneros) da Região Central, Eduardo Stangherlin, o presidente do Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares (SHRBS) de Santa Maria, João Provensi, o presidente da Associação dos Hotéis, Restaurantes e Agências de Viagens (Agturr), Emerson Nereu, o presidente do Sindilojas Região Centro, Ademir José da Costa, o presidente do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrica de Santa Maria (Simmmae), Julio Kirchhof, e Sanderson Gomides, representante do Espaço Contábil.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Vacinação está largada para as cobras. Não é culpa de quem está lá na ponta. Não convocaram voluntarios (ainda existem na cidade), anteciparam vacinações aumentando a clientela sem aumentar a estrutura e por aí vai. Se a vacinação começa as 13:30 pode contar que já vai haver gente na fila as 10 horas da manha. Fila ‘organizada’ pelos populares, guarda municipal nem pensar. Quando começa o entrevero fica um servidor tentando organizar o fluxo (ao menos onde fui) e outro tentando organizar a fila/distribuir fichas. Muita gente esperando. Muita gente tentando furar a fila e alguns conseguindo. Aos trancos e barrancos sai. Mas não é um(a) nem dois(uas) que dizem que é a última dose, gente que desiste por conta da fila, gente que pelo horario vai perder horas de serviço (atestado é coisa da Globo, muito patrão por aí não quer saber). Logo, há que se colocar mais ‘penso’ nesta história.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo