DestaqueSanta Maria

CÂMARA. Projeto obriga capacitação em primeiros socorros para professores e funcionários de escolas

Proposta de Anita Costa Beber visa a regulamentar Lei Federal no município

Proposta da vereadora Anita é baseada em legislação nacional criada após morte de menino de 10 anos (Foto Yorhan Rodrigues/Câmara)

Por Maiquel Rosauro

“No dia 27 de setembro de 2017, meu único filho, Lucas, de apenas 10 anos, foi com o Colégio Rio Branco-Campinas, onde estudava há 4 anos, a um passeio de estudo do meio na Fazenda Ibicaba, na cidade de Cordeirópolis, interior de SP. O passeio foi acompanhado também pela empresa de turismo Ivian Expedições Educacionais. No refeitório da fazenda foi servido, na hora do lanche, cachorro-quente. Lucas engasgou com um pedaço de salsicha, não recebeu os primeiros socorros de forma rápida e adequada (manobra de Heimlich ou de desengasgo + RCP) e morreu em decorrência de asfixia por engasgamento”.

É desta forma que Alessandra Begalli e Andrea Zamora, respectivamente, mãe e tia de Lucas Begalli descrevem os fatos que levaram à morte do menino. A dor pelo luto se transformou em luta. A família da criança promoveu uma forte mobilização e conseguiu a aprovação da Lei Lucas (13.722/2018), que torna obrigatória a capacitação em noções básicas de primeiros socorros de professores e funcionários de estabelecimentos de ensino públicos e privados de educação básica e de estabelecimentos de recreação infantil.

Em Santa Maria, a vereadora Anita Costa Beber (PP) assumiu a causa e busca regulamentar no município a lei federal. Em março, ela apresentou o Projeto de Lei 9378/2022, que recebeu alguns apontamentos da Procuradoria Jurídica da Casa. A progressista não desistiu e, nesta terça-feira (19), protocolou o Projeto de Lei Substituto 2/2022.

A iniciativa de Anita altera a Lei Municipal 5829/2014. A atual legislação obriga a realização de cursos de primeiros socorros e prevenção de acidentes para pelo menos um funcionário de escolas e creches instaladas no Município.

A proposta de Anita é mais abrangente e determina a obrigatoriedade da capacitação em noções de primeiros socorros para professores e funcionários de estabelecimentos de ensino públicos e privados de educação básica e de recreação infantil.

O projeto define que o curso deverá ser ofertado anualmente, seja de capacitação ou reciclagem, para parte dos professores e funcionários das instituições. A quantidade de profissionais capacitados será definida por regulamento, que levará em consideração a quantidade de funcionários e alunos dos estabelecimentos.

“Pode-se observar a urgência de alteração da Lei para que venha a ser implementada com objetivo primordial de proteção à vida, reduzindo complicações futuras, observando a segurança e a qualidade de vida de crianças, jovens e adultos no âmbito escolar e recreativo do nosso Município”, justifica a vereadora.

Para que saia do papel, o projeto precisa ser aprovado em Plenário e sancionado pelo prefeito.

A família de Lucas não tem dúvida, vale a pena transformar a proposta em lei.

 “Nada vai trazer nosso menino de volta. Mas se uma única criança puder ser salva e uma única mãe não tiver que passar pela dor que estamos passando agora, a partida do Lucas não terá sido em vão”, explica a mãe de Lucas na fanpage da campanha que defende a lei.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo