DestaqueSaúde

CIDADE. Hospital Casa de Saúde completa 90 anos de atuação com ações gratuitas à comunidade

Casa de Saúde foi fundado pela Cooperativa da Viação Férrea

Neste domingo (24), haverá uma missa de ação de graças. No dia seguinte, equipes de saúde estarão na Praça Saldanha Marinho com serviços de prevenção. Foto Divulgação

Por Temporea e Prefeitura de Santa Maria

Cercado pelos morros do bairro Perpétuo Socorro, em 24 de abril de 1932, abria as portas para a comunidade o hospital que se tornaria referência em atendimento gratuito de qualidade para Santa Maria e outros 32 municípios da região e criaria uma memória afetiva com os milhares de santa-marienses que lá nasceram. Os 90 anos da Casa de Saúde serão celebrados com uma ação que faz parte da sua essência, cuidar das pessoas.

O Casa de Saúde foi fundado pela Cooperativa da Viação Férrea para prestar atendimentos aos ferroviários e suas famílias em uma localização estratégica durante o apogeu da ferrovia. A instituição contava com o aparelhamento mais moderno da época, vindo direto da Europa. Em pouco tempo, o hospital abriu as portas para a comunidade em geral. Ao longo de quase um século, consolidou-se pelos serviços da maternidade, onde nasceram e nascem milhares de crianças.

“A minha história é intimamente ligada à Casa de Saúde porque foi lá que eu nasci. Mas, além dessa questão pessoal, tenho um carinho e um respeito imensos por essa instituição por tudo o que ela representa para o nosso Município, pelos serviços que presta à comunidade por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). O hospital Casa de Saúde é de uma relevância extrema para Santa Maria, tanto que está em atividade há quase um século, sempre cuidando da nossa população e oferecendo atendimentos de qualidade que são reconhecidos por todos que, de alguma forma, passaram por lá”, ressalta o prefeito Jorge Pozzobom.

Desde 2013, o hospital conta com plantão presencial na área de obstetrícia, qualificando o serviço que até então era de sobreaviso, e aumentando o volume de nascimentos, com uma média de 100 bebês por mês. O serviço é “de portas abertas”, que não necessita de encaminhamento de outra unidade de saúde para atendimento.

Ações gratuitas na Praça
Na segunda-feira (25), das 8h ao meio-dia, colaboradores do hospital, além de universitários e professores de cursos da saúde da Universidade Franciscana (UFN), vão estar na Praça Saldanha Marinho prestando serviços gratuitos de verificação de pressão e orientações de prevenção de doenças. No domingo (24), uma missa de ação de graças será realizada às 10h na Igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.

“Celebrar 90 anos é agradecer a todas as pessoas que construíram e constroem essa trajetória conosco, como Rede Sefas, na missão de levar “vida e vida em abundância” e todos que buscam por saúde, cuidado, conforto e cura. Somos uma Casa de Saúde com vocação para nascer e renascer sempre, somos para fazer o bem e bem feito”, pontua a Irmã Liliane Pereira, presidente da Associação Franciscana de Assistência à Saúde (Sefas), que administra o hospital desde 2009.

Estrutura
Ao longo da história, a instituição modernizou sua estrutura e equipamentos e qualificou os atendimentos, habilitado como hospital 100% SUS. Atende Santa Maria e outros 32 municípios da região, e é porta aberta em traumatologia, ortopedia e na área de obstetrícia. Hoje, são 112 leitos disponíveis e mais de 300 colaboradores qualificados para melhor atender os mais de 800 pacientes que circulam por dia nas diferentes unidades e especialidades.

O hospital também passou a ser campo de práticas de ensino para várias escolas e universidades de Santa Maria, em áreas como Medicina, Enfermagem, Psicologia, Odontologia, Serviço Social, Nutrição, Técnicos de Enfermagem, entre outros, além de possuir Residência Médica de Clínica e Psiquiatria, Enfermagem Obstétrica, Enfermagem em Urgência e trauma e residências multiprofissionais. O Casa de Saúde busca a habilitação como Hospital de Ensino. Isso trará muitos benefícios para a instituição, como por exemplo se transformar em um hospital de alta complexidade.

“São 90 anos de serviço em prol da comunidade, desde o nascimento até o fim de suas vidas. São pessoas cuidando de pessoas, e a cada ano que passa nós vimos que a sua importância segue essencial. Por isso, estamos sempre em busca de evoluções tanto na parte estrutural quanto assistencial”, afirma a Irmã Celi Klimeck, diretora do Casa de Saúde.

Serviços*:

  • O hospital dispõe de cinco unidades com 112 leitos: Unidade Pequeno Príncipe (pediatra), Unidade Santa Isabel (maternidade), Unidade Santa Clara (Clínica Médica), Unidade São José (cirúrgica) e Unidade Madre Madalena (psiquiatria), esta última temporariamente fechada por conta de reformas;
  • Plantão em traumatologia, ortopedia e na área de obstetrícia;
  • Ambulatório com atendimento em otorrinolaringologia, vascular, neurologista, ginecologia, urologia, nefrologia, buco-maxilo, pneumologia, reumatologia, psiquiatria, dermatologia, pediatria, puerpério, proctologia, cardiologia, gastroenterologia, hematologia, ortopedia, além de teste de audiometria, teste de orelinha, teste de linguinha e cirurgia geral;
  • Ambulatório transsexualizador;
  • Exames de Raio X, mamografia, tomografia, ultrassonografia, espirometria, Otorrinolaringologia e fonoaudiologia e laboratório de análises clínicas.

*Os serviços porta aberta podem ser acessados por qualquer pessoa. Demais atendimentos precisam ser encaminhados via Unidade Básica de Saúde ou Pronto-atendimento.

Novidades
A fachada original do hospital, inaugurada em abril de 1932, nunca passou por um processo de restauração. Agora há um projeto em andamento que deve restaurar por completo seu exterior. A verba para isso foi garantida pela secretária de Saúde do Estado, Arita Bergmann, que visitou o hospital no começo de abril acompanhada do prefeito Jorge Pozzobom e do secretário de Saúde, Guilherme Ribas.

O projeto de restauração da fachada foi desenvolvido em 2019 pelo curso de Arquitetura da Universidade Franciscana (UFN), e prevê um recurso de R$ 1.196.000,00. No projeto original, consta o que deve ser executado na obra:

  • Remoção do revestimento externo (1,4 mil metros quadrados), ficando as paredes em osso. Remoção parcial de beiras, esquadrias, telhas, beiral e calhas;
  • Execução do reboco externo (1,4 mil metros quadrados), com acabamento em pintura acrílica branca acetinada;
  • Instalação de esquadrias brancas com vidro;
  • Na cobertura, substituição das telhas francesas defeituosas, bem como o beiral em madeira substituído por estrutura metálica;
  • Instalação do sistema de para raio, conforme o PPCI já aprovado;
  • Calçadas do entorno refeitas em contrapiso de concreto e revestimento de ladrilho hidráulico de duas cores.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo