Artigos

Cultura negra e o gauchismo – por João Luiz Vargas

O livro de Liliana Cardoso e a presença dos negros na história do Rio Grande

Estou lendo uma obra escrita e organizada pela tradicionalista, apresentadora, declamadora, radialista e uma figura extremamente importante no cenário gaúcho: Liliana Cardoso.

Obra essa que nos dá a oportunidade de divulgarmos e tentar diminuir aquilo que ainda existe de dificuldades na concepção do desenvolvimento que tivemos no Rio Grande do Sul e Brasil, em relação ao nossos amigos negros.

Esse livro chama-se A Matriz da Cultura Negra no Gauchismo.

Liliana, no texto de apresentação, descreve a capa e tudo o que será narrado no decorrer nas páginas. “As embarcações com flores, que caracterizavam a travessia com suas oferendas, simbolizando sua fé. A imagem do trabalho faz referencia a participação na construção econômica. Os quilombolas trazem a ideia de comunidade, pois constituíam aos locais para onde os negros fugiam para ficar com os seus. O dendezeiro traz a idéia da contribuição do povo negro para a culinária local, por meio do azeite de dendê.”

E segue: “o instrumento de percussão evoca a musicalidade do povo negro. O charque em fogo de chão simboliza o trabalho do povo negro escravizado, que cuidava desde a carneação do animal. A criança negra e os olhos verdes, “espiando por trás dos tecidos”, representa a miscigenação dos povos. A dança também é representada na ilustração. A estampa da beleza negra, nua, em cada pedaço do seu turbante representa uma contribuição do povo para a culinária”.

Essa noite mesmo perdi o sono e li mais um trecho do livro e hoje aproveito esse espaço para parabenizar essa grande representatividade, pelo conhecimento e aprendizado transmitido através dessa obra.

(*) João Luiz Vargas, prefeito de São Sepé (ex-deputado, ex-presidente da Assembleia Legislativa e ex-presidente do Tribunal de Contas do Estado), escreve no site às sextas-feiras.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo