Não duvide: Rigotto concorre à reeleição

Ele até pode não querer. Ou, mais que isso, talvez acredite, lá no íntimo de seu cérebro, a possibilidade de ainda concorrer à presidência da República. No entanto, na realidade da política, naquela que vale meeeesmo, parece não haver outra alternativa ao atual governador do Rio Grande do Sul.
Germano Rigotto acabará empunhando, melhor que qualquer outro, aliás, a bandeira de defesa do próprio governo, buscando um segundo mandato. Mas não pode demorar a decidir isso. Inclusive porque seus potenciais aliados, diante da demora na definição. Confira, a respeito, a reportagem do jornalista Alexandre Elmi, publicada neste domingo, no jornal Zero Hora:

”O segundo governo Rigotto
O governador evita dar pistas sobre seu projeto eleitoral, mas o PMDB já trabalha com a candidatura à reeleição
Germano Rigotto pode até escapar da pressão do PMDB gaúcho para concorrer à reeleição, mas não deixará de viver, ainda que parcialmente, a experiência de um segundo mandato a partir desta segunda-feira.
O segundo tempo da gestão Rigotto no Piratini se iniciou com substituições em 17 das 19 pastas do primeiro escalão. Peemedebistas interpretaram a troca como o primeiro movimento rumo à reeleição. Rigotto garante que não teve o objetivo de organizar uma equipe que lhe permitisse administrar o Estado e fazer campanha simultaneamente.
– Estou preocupado em concluir o mandato. A minha cabeça não está mais em eleição – afirmou Rigotto na sexta-feira, logo depois de empossar a nova equipe.
– Não é jogada ensaiada. A nova equipe foi montada para concluir bem o governo – disse Paulo Michelucci, deslocado da Secretaria da Fazenda para a chefia da Casa Civil.
Rigotto evita dar pistas sobre o seu plano eleitoral. Quer adiar a definição, protegendo-se contra desgastes desnecessários. Chega até a se irritar com perguntas sobre o tema, mas o fato é que a cúpula do PMDB gaúcho não tem mais dúvidas: a forma como ele recompôs o secretariado é sinal de que o projeto de reeleição está mais vivo do que nunca.
– Vamos começar as conversas sobre alianças. O espaço dado ao PTB (que pulou de duas para quatro secretarias) foi o primeiro passo – garante o presidente licenciado do PMDB, senador Pedro Simon.
Segundo integrantes do partido, a maneira como foi conduzida a negociação com os aliados atesta que o governador não descarta a reeleição. Rigotto praticamente anulou composições que já haviam sido amarradas pelo vice-governador Antonio Hohlfeldt, alterando o perfil final do novo secretariado e reassumindo o controle do jogo da sucessão…”

OBSERVAÇÃO: Se você quiser ler a íntegra da reportagem, e é cadastrado (o que pode ser feito gratuitamente) no ClicRBS, basta acessar o endereço www.clicrbs.com.br/jornais/zerohora/



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *