Arquivo

Desertos verdes (2). Eucalipto, regra 3 do petróleo, e controlado pelos grandões do planeta

No seminário sobre os “desertos verdes”, realizado no campus da UFSM, entre a sexta-feira e o sábado, um grande debate se estabeleceu em torno dos projetos de florestamento ora em gestação na metade sul do Rio Grande. O participantes do encontro, na tarde de sexta, foram todos críticos das propostas em andamento na pampa gaúcha.

 

Uma das mais veementes manifestações veio de Sebastião Pinheiro, o presidente da Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural, a veneranda Agapan, fundada pelo ambientalista José Lutzenberger. O que ele e outros disseram você confere na reportagem a respeito, produzida pela assessoria de imprensa da Seção Sindical dos Docentes da UFSM, Sedufsm, uma das promotoras do evento. A seguir:

 

“Haja Eucalipto: Produção deverá atender a indústria de energias alternativas

 

Representante da Agapan diz que eucalipto será matéria prima para produção de biocombustível e irá concorrer com o petróleo

 

Aplausos, contestações, discordâncias e muito argumento marcaram a tarde desta sexta, dia 1º, no Seminário estadual “Rumos na luta contra o deserto verde – Esta terra tem dono” realizado pela Seção Sindical dos Docentes da UFSM. O auditório Sérgio Pires lotou de estudantes, professores, entidades ambientais, sindicalistas e movimentos sociais. Cerca de 180 pessoas acompanharam com olhares atentos os painéis sobre a temática da plantação de eucalipto para abastecer as grandes indústrias de celulose e biocombustível.

                                               

Quase um minuto de aplausos foi a resposta da plenária, depois da fala do representante da Associação Gaúcha de Proteção Ambiental (Agapan), Sebastião Pinheiro. O alerta foi para a intenção dos grandes pólos internacionais, em produzirem etanol à base de eucalipto. Para ele, petróleo está “condenado” e agora se busca o recurso da biomassa para a produção de líquidos. Sebastião citou como exemplo a ‘Standard Oil Company’ –  o maior truste petrolífero dos Estados Unidos. “Essa briga é lá em cima, mas é de todos nós”, disse. De acordo com ele, plantar eucaliptos é muito rentável financeiramente, porque em sete anos já se está colhendo os resultados.

 

Para Sebastião o Brasil está sendo usado para uma produção em larga escala, que atenda aos interesses dos grandes barões imperialistas. “Estamos fazendo a terceira Revolução Verde sem saber”, afirmou. “Isso é diabólico, terrível!”, dramatiza. Sebastião lançou para o debate: “vamos ver se a polêmica vai ser o eucalipto engolidor de água ou o geneticamente modificado”.

 

O representante do MST, Luiz Pedroso falou da “grande peleia travada entre os exploradores e os camponeses”. Segundo ele, o governo quer impor um estilo de consumo e de comportamento aos agricultores. Para Pedroso, o capitalismo chegou a todos os cantos do planeta, com o Grupo dos 7 (G7). Para ele esse grupo força uma globalização neoliberal desregulada e acaba “repartindo o bolo do lucro sobre a exploração”. De acordo com Pedroso, os organizadores resolveram explorar o Brasil pelos eucaliptos. “O Brasil sempre foi fornecedor de matéria prima”, esse é mais um exemplo, contestou. “A Mata Atlântica já foi destruída para plantar soja. Agora querem destruir o pampa para a monocultura de eucalipto”, afirmou Pedroso.

 

O mau planejamento causa problemas estruturais

 

“A besta do apocalipto” é a definição trazida por Patrícia Binkowiski, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), que falou das conseqüências da monucultura do eucalipto no contexto social. A definição apresentada surgiu em Caravelas, na Bahia, quando foi ocupado 83% de terras agricultáveis para a produção de eucalipto, gerando diversos problemas sociais, econômicas e ambientais na localidade. Patrícia abordou a fragilização do espaço rural, o que provoca a migração do agricultor familiar. Além de problemas estruturais com o desemprego e a pobreza.

 

Patrícia também reproduziu as estratégias de marketing, existentes em Porto Alegre, sobre a Aracruz Celulose – que é responsável por 27% da oferta global e possui plantações nos estados do Espírito Santo, Bahia, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. “Eles falam do desenvolvimento sustentável, da arborização”. Patrícia citou o exemplo de uma rádio da capital que tratava como “a fantástica fábrica de celulose”. Segundo Patrícia, as conseqüências desse processo geram mudanças na identidade cultural do gaúcho. As questões são: Será que o bioma pampa vai suportar? A quem interessa todo esse “desenvolvimento”? Patrícia afirmou que é “inconformista” e que não se dobra ao modelo de conjuntura apresentado no momento.

 

Isso tudo pode acontecer se não houver o zoneamento ambiental, que  foi o tema da explanação do representante da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam), Paulo Duarte. De acordo com ele, o planejamento é o fator fundamental para a manutenção da paisagem natural e as práticas de manejo. Paulo falou da prática da silvicultura – criação e desenvolvimento de povoamentos florestais, satisfazendo as necessidades de mercado -, que foi incluída em 2004. Segundo Paulo, tudo deve ser criteriosamente analisado para o bom desenvolvimento ambiental, econômico e social da população de determinada localidade.

 

A universidade é o instrumento de desenvolvimento das empresas

 

O interesse das empresas de celulose nas Universidades foi apresentado por Luiz Rampazzo, do Centro de Estudos Ambientais (CEA), com o trabalho intitulado: Desertos Verdes e Pólos de Celulose na Metade Sul. Rampazzo contou que as empresas vão dentro de uma universidade do Sul do Estado, buscar cientistas para desenvolverem estudos “Chega a se promíscuos”, contesta. Para ele, a monocultura não tem diversidade e não é florestamento, muito menos reflorestamento. “Isso tudo é uma indução ao erro”, alerta. Rampazzo afirma que o desenvolvimento sustentável só será possível com uma ecologia equilibrada, socialmente justa e economicamente viável. “

 

 

SUGESTÃO DE LEITURA – clique aqui, se desejar outras informações oriundas da assessoria de imprensa da Sedufsm.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo