Arquivo

Salário. Assembléia aprova Mínimo Regional do RS, que varia entre R$ 430 e R$ 468,28

Não foi uma discussão fácil, longe disso. Afinal, havia pelo menos oito emendas, grande parte delas ampliando os valores definidos pelo projeto enviado à Assembléia Legislativa, pela governadora Yeda Crusius. Mas, enfim, os deputados acabaram aprovando, por maioria escassa, 29 votos a 25, o novo Salário Mínimo Regional, válido para o Rio Grande do Sul desde 1º de maio.

 

E, o mais interessante, segundo reportagem divulgada pelo ClicRBS, é que o resultado (confira, no final do texto, a sugestão de leitura) deixou insatisfeitos os empresários e os representantes dos trabalhadores, que vaiaram os parlamentares, após o final da votação.

 

Haverá, quem sabe, repercussões políticas a respeito. Inclusive porque votos governistas foram dados à proposta costurada em plenário, que ampliou o rajuste de 3,3% (o que previa inicialmente o projeto) para 5,98%. Assim, das quatro faixas salariais previstas, a menor agora é de R$ 440, e a maior passa a ser R$ 468,28.

 

 

SUGESTÃO DE LEITURAconfira aqui a reportagem “Assembléia aprova reajuste de 5,98% do mínimo regional”, publicada pelo ClicRBS, com informações da Rádio Gaúcha e da AL.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo