Arquivo

Do Juliano Piccoloto. Artigo reflete sobre as questões que envolvem o bem. E o mal

O advogado (e secretário municipal de Transporte, Trânsito e Mobilidade Urbana) Juliano Piccoloto enviou ao site dois artigos. Em ambos, discute as relações entre o bem e o mal.  Coloca as expressões, pra lá de subjetivas, no contexto em que vivemos.

 

Neste domingo, publicamos o primeiro deles. E nesta segunda-feira, você poderá conferir o segundo. Vale a pena ler. A seguir: 

 

“Entre o Bem e o Mal

Questão religiosa ou cultural, todos somos levados ao cultivo de princípios morais, delineados pelos valores estabelecidos em nosso meio-ambiente, não por recompensa, mas apenas porque é certo.

 

Problema é quando este “meio-ambiente” passa a agir na criação de um sem número de justificações, que acabam por confundir a realidade. Aí então, inexoravelmente, o bem e o mal deixam de ser conceitos dogmáticos e ficam empilhados na prateleira das virtudes descartáveis do homem moderno, tornando-se meras variáveis, subjugadas do preceito “para qualquer maldade existe um motivo – e se não existe – se inventa”.

 

Tudo a desculpar as mais insanas atitudes, enfraquecendo-nos em nossas convicções e agredindo nossa qualidade visceral, a inteligência, pois o véu da explicação até pode dissimular o fato, a conseqüência, mas nunca terá a força de disfarçar a intenção, a consciência.

 

Solução? “O enrijecendo os princípios, deixando – o homem – de se auto-enganar”, eis que o destino da nossa raça passa pelos valores éticos escolhidos como paradigmas de uma conduta social racionalmente idealizada, não importando a ocorrência de oscilações no comportamento social do indivíduo isoladamente considerado, pois o erro e o dolo são bagagens que o homem médio sempre carregará. O que não se aceita é a transformação, independente se pela política, pela mídia ou por nós mesmos, da exceção em regra.

 

E por mais avançada a sociedade, continua sendo apenas o somatório de elementos únicos, estes sim com o poder de ditar os princípios e as regras, já que o nascimento das convicções é no “homem” e não na “sociedade”. Esta apenas institucionaliza os conceitos, não pode os criar, muito menos modificá-los, sob pena de uma catastrófica e letal inversão de responsabilidades.

 

Por tudo isso, devemos exercitar a magnífica virtude da autocrítica, através do discernimento e da reflexão, para não nos distanciarmos da realidade dos nossos atos e dos fatos que geramos.

 

De um jeito ou de outro, este é o único caminho seguro, eis que é diante dessa arriscada viajem, passível de severas repreensões e do mal-estar causado pela culpa, que o travesseiro transforma o homem em seu juiz, até porque, cá entre nós, todos sabemos a diferença entre o bem e o mal.

 

Juliano Piccoloto – Advogado”

 

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo