Política

DE LINHAGEM E DO LULA. Luciano Ribas, geneaologia, e-mail “sutil” e resultados sociais

“…A resposta é tão simples quanto óbvia. O Stefano e sua Giudita, junto com o bisavô do imbecil que escreveu o referido texto e de milhares de outros, fugiram da fome, da exclusão, da desigualdade e da elite autista. Eles eram os miseráveis do século XIX e seus estômagos roncavam tão alto quanto os de milhões de brasileiros roncam hoje.

Se eles tivessem tido um governante que sabe o que é sentir fome e que assistiu a mulher falecer no parto por falta de atendimento médico, talvez uma Bolsa-Família pudesse ter-lhes dado esperança e possibilitado um caminho que não fosse o do porão de um navio.

Em dois anos o Brasil subiu de quarta nação mais desigual do mundo para décima; pouco, ainda, é certo, mas um sinal inconteste que a desigualdade por aqui diminui a passos largos porque o Estado agora está a serviço do povo. E a miséria diminuiu 20% nos 3 primeiros anos do governo Lula, o que mostra que quem faz três refeições num dia tem, sim, salvação…”

CLIQUE AQUI para ler a íntegra do artigo “D’além mar”, de Luciano Ribas, colaborador semanal deste sítio. Ele foi postado há instantes, na seção “Artigos”. Boa leitura!

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo