TRAJETÓRIA VITORIOSA. Sim, é preciso festejar, e muito, os 25 anos do projeto Esperança/Cooesperança

TRAJETÓRIA VITORIOSA. Sim, é preciso festejar, e muito, os 25 anos do projeto Esperança/Cooesperança - eco-sol-abraço-coletivo1

Abraço coletivo, uma das ações solidárias que marcou a festa pelos 25 anos do projeto

O sítio e seu editor não escondem a admiração pelo trabalho extraordinário do projeto Esperança/Cooesperança, vinculado à arquidiocese católica de Santa Maria. E é preciso comemorar, sim, os 25 anos de existência dessa verdadeira instituição que existe em defesa da economia solidária.

Uma trajetória vitoriosa, e que se encontra em constante evolução. Um pouco disso, inclusive contando o festerê que aconteceu no último sábado, em meio ao Feirão dos Pais, no Centro de Referência Dom Ivo Lorschester, quem conta, em texto e fotos, é o jornalista Maiquel Rosauro. Confira:

 “Projeto Esperança / Cooesperança completa 25 anos nesta quarta-feira

TRAJETÓRIA VITORIOSA. Sim, é preciso festejar, e muito, os 25 anos do projeto Esperança/Cooesperança - eco-sol.-bolo-gigante

Primeiro corte no superbolo, feito pela coordenadora do Projeto Esperança, Irmã Lourdes Dill

Quarta-feira será um dia especial para o Projeto Esperança / Cooesperança, data em que completa 25 anos de atuação. Hoje, cerca de 260 empreendimentos solidários de 34 municípios da região Central participam do projeto. São beneficiadas diretamente cerca de 5,3 mil famílias e indiretamente 23,5 mil pessoas.

O Projeto Esperança é um dos setores do Banco da Esperança, da Arquidiocese de Santa Maria. Foi criado a partir do estudo do livro “A pobreza, riqueza dos povos”, do autor africano Albert Tévoèdjeré, cujo estudo e seminários iniciaram em 1980. No 3º Congresso da Cáritas/RS, em 1984, Dom Ivo Lorscheiter, então bispo de Santa Maria, desafiou a Cáritas/RS a criar e desenvolver os Projetos Alternativos Comunitários (PACs). 

A Diocese de Santa Maria, Cáritas/RS, UFSM, Emater Regional e outras entidades promoveram seminários e jornadas de estudos sobre o livro e, por consequência, criaram os primeiros PACs. Eles se configuravam pela autogestão, cooperativismo e sustentabilidade como um novo jeito de construir o desenvolvimento sustentável. Também visavam encontrar soluções para os grandes problemas sociais, entre eles o desemprego, o êxodo rural, a fome, a miséria e a exclusão social no campo e na cidade. 

Em 15 de agosto de 1987, foi criado o Projeto Esperança e o início do seu funcionamento a partir dos grupos organizados que se integraram desde o início dos estudos. A Cooesperança (Cooperativa Mista dos Pequenos Produtores Rurais e Urbanos Vinculados ao Projeto Esperança) é uma central que, juntamente com o Projeto Esperança, congrega e articula os grupos organizados e viabiliza a comercialização direta de produtos dos empreendimentos solidários do campo e da cidade. Desta forma, nasceu o novo modelo de cooperativismo.

Atividades no sábado marcaram os 25 anos do Projeto

As comemorações referentes aos 25 anos do Projeto Esperança / Cooesperança ocorreram na manhã do sábado passado, no Centro de Referência em Economia Solidária Dom Ivo Lorscheiter. Na ocasião, um bolo gigante foi partilhado entre grupos, visitantes, apoiadores e consumidores presentes no Feirão Especial de Dia dos Pais.

A coordenadora do Projeto Esperança / Cooesperança, irmã Lourdes Dill, liderou uma mística especial com uma interação em todos os pavilhões do Centro de Referência em Economia Solidária e um abraço coletivo em todos os prédios. Também foi realizado o lançamento do livro “Modelo de Gestão de um Empreendimento de Economia Solidária – Projeto Esperança/Cooesperança”, do professor Edemar Luiz Balbinot.  

TRAJETÓRIA VITORIOSA. Sim, é preciso festejar, e muito, os 25 anos do projeto Esperança/Cooesperança - eco-sol-mística-dos-25-anos

Mística especial em todos os pavilhões: outra atividade a marcar o 25° aniversário do projeto

– Passei dois anos observando o trabalho realizado dentro do Projeto. Este livro é um documento histórico que relata o desenvolvimento deste importante empreendimento e sua gestão – relata Balbinot.

Também esteve presente o ônibus da Assistência Social, da Prefeitura de Santa Maria. Foram oferecidos serviços gratuitos ao público visitante, como acesso ao Bolsa Família, Carteira do Idoso, entre outros.

Feira Mundial de Economia Solidária em 2013

Entre os dias 13 e 15 de julho deste ano, foi realizado no Centro de Referência em Economia Solidária a principal ação do Projeto Esperança/Cooesperança: a 6ª Feira de Economia Solidária do Mercosul e 19ª Feira Estadual do Cooperativismo (Feicoop). Os eventos tiveram um público recorde de 170 mil visitantes. 

A Feira contou com 830 grupos de expositores provenientes de quatro continentes, 15 países (Argentina, Uruguai, Paraguai, Chile, Peru, Equador, Nicarágua, Alemanha, República Tcheca, Bolívia, Brasil, Senegal, Estados Unidos e Portugal) e de 27 Estados brasileiros (478 municípios). Mais de 500 jovens participaram do 8º Levante da Juventude.

Em 2013, os eventos serão ampliados. O 2º Fórum e 2ª Feira Mundial de Economia Solidária serão realizados entre os dias 11 e 14 de julho, em Santa Maria, junto à Feira de Economia Solidária do Mercosul. A meta é ter um público total de 200 mil pessoas, 50 países e todos os continentes representados.”

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *