CongressoPolítica

ALÍVIO. Proposta do governo reduz a dívida com a União, de estados e comunas. Ela é de R$ 465 milhões

Ela já foi de R$ 100 bilhões, nos anos noventa. Hoje se aproxima dos R$ 500 bilhões. Não precisa ser um expert em contas para perceber o esbulho a que foram submetidos estados e comunas, nessas duas décadas. Pois é isso que se discute, no âmbito do Congresso – inclusive com uma proposta feita pelo Governo.

No caso do Rio Grande do Sul, especificamente, é notório que, como está, a província ficará ingovernável, sem condições de qualquer investimento – exceto com o beneplácito da União. Mas, que projeto é esse e como ele anda? Acompanhe, a propósito, material produzido pelo sítio especializado Congresso em Foco. A reportagem é de Eduardo Militão. A seguir:

Governo quer reduzir dívidas de estados e prefeituras

O governo federal enviou ao Congresso um projeto para reduzir as dívidas dos estados e prefeiturascom a União, que inicialmente eram da ordem de R$ 100 bilhões na década de 90 e chegaram aos R$ 465 bilhões no ano passado. Para isso, o governo pretende baixar as taxas de juros dos empréstimos contraídos a partir de 1997. O relator do projeto, deputado Eduardo Cunha (RJ), apresentou um parecer que torna essa benesse mais salgada. Nas contas do peemedebista, o refinanciamento ficará R$ 15 bilhões mais caro para a União.

A proposta original, enviada pelo governo ao Congresso em 20 de fevereiro, reduz os juros cobrados hoje em dia, da faixa dos 18% a 21% ao ano, para 4% a até 7,5% ao ano. Mas isso tem um custo, que é desconhecido até agora e não foi revelado na justificativa feita pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega. Nas contas do deputado João Dado (PDT-SP), o impacto do substitutivo de Cunha ainda será maior do que o previsto por ele: R$ 20 bilhões.

O relatório de Cunha seria votado nesta quarta-feira (24) na CFT, mas ele garantiu aoCongresso em Foco que não vai levar o caso para análise dos deputados porque queria apenas “discutir” o assunto. “Vamos obstruir”, ameaçava o…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Claudemir!
    O correto é ESBULHO. Esbúlio não existe. (NOTA DO SÍTIO – o leitor tem integral razão. Inclusive por corrigir o ataque de burrice do editor. Que, pelo menos, se deu ao trabalho de corrigir. E agradece, penhorado, em nome de Camões)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo