Eleições 2012Política

NÃO CUSTA LEMBRAR. A vitória incontestável. E…

Confira a seguir trecho da  nota publicada na noite de 7 de outubro de 2012, domingo:

ACABOU. Cezar Schirmer reeleito, com 82.477 votos

Os dados a seguir já são do Tribunal Regional Eleitoral, com 100 % dos votos apurados, de 576 urnas:

Schirmer (PMDB) – 82.477 votos – 54,76%

Helen (PT) – 37.113 votos – 24,64%

Pozzobom (PSDB) – 26.202 votos – 17,40%…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI

PASSADO EXATAMENTE UM ANO da publicação da nota, não dá pra deixar de sentir uma certa frustração. Afinal, como alguém com tamanho apoio popular conseguiu transformar o seu governo em algo que ainda não começou? Como?

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

2 Comentários

  1. Realmente, a postura de outro(as) governantes teria sido outra, apurando as responsabilidades, cortando da própria carne, exigindo sindicâncias, cuidando com vigor político e carinho dos sobreviventes e das famílias, governando com a transparência de quem não tem medo de nada. Mas não.

  2. Um ano depois, mas parece que faz mais tempo!
    sobre o principal fato acontecido nesse período: Mesmo que se diga (controvérsias à vontade) que poderia ter acontecido na gestão de qualquer um, é inegável que, se fosse outro no comando da cidade as atitudes pós tragédia teriam sido outras..
    Em vários momentos a cidade sentiu falta de um comandante..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo