Câmara de VereadoresPolítica

FLASH. Câmara mantém veto de Schirmer e Plano de Mobilidade Urbana fica valendo no seu projeto original

Voltaremos ao tema, mais tarde, com a devida reflexão a respeito. Fiquemos, por enquanto, com o principal. Os vereadores, por unanimidade dos presentes, mantiveram o veto do prefeito Cezar Schirmer à emenda modificativa número 1 do Plano Municipal de Mobilidade Urbana. Sim, foi isso mesmo: os vereadores todos mudaram de ideia.

A decisão foi tomada agora à tarde, na sessão ordinária da Câmara de Vereadores. E, ao contrário do que se imaginava, não foi votado o projeto antipichação, pois não aconteceu reunião extraordinária, em função de sessão solene que ocorre agora, no Legislativo.

Adiante, outras informações e a análise do editor.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Corrigindo a informação do ilustre jornalista: o projeto antipichação não foi votado hoje simplesmente porque o relatório da Comissão Especial não ficou pronto a tempo de ser lido no plenário pelo reloato Tavores Fernandes. Só por isso. E os vereadores não mudaram de opinião. Apenas concordaram com o argumento do prefeito de que o texto tal como foi redigido engessava a prefeitura e sobrecarregava a câmara. Até a troca de uma placa precisaria passar pela câmara.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo