Claudemir PereiraColunaPolítica

IMPRESSA. Na coluna desta terça, a discussão, no Legislativo, sobre o destino do edil João Carlos Maciel

Você confere a seguir, na íntegra, a coluna do editor do sítio, publicada na edição desta terça-feira, 9 de junho, no jornal A Razão:

Pelo Regimento, termina o prazo para apurar a conduta dele (foto Arquivo/A Razão)
Pelo Regimento, termina o prazo para apurar a conduta dele (foto Arquivo/A Razão)

Pares de Maciel e o destino do vereador

Decidida em 19 de maio, esgota-se nesta terça-feira o conjunto de cinco sessões, prazo regimental dentro do qual a subcomissão de Ética que apura a conduta de João Carlos Maciel (PMDB) precisa apresentar seu relatório.

Relembrando: Werner Rempel (PPL), Manoel Badke (DEM) e Paulo Denardin (PP) foram escolhidos para verificar dois pontos do procedimento ético de seu colega peemedebista.

Um do passado longínquo, a questão dos salários dos CCs que a ele teriam sido repassados. E, diga-se, objeto de processo judicial em vias de transitar em julgado. Outro, do presente: a prisão de dia e meio a que foi submetido Maciel, por conta de investigação da Polícia Federal em torno de entrega irregular de medicamentos.

Palpite claudemiriano: por conta da complexidade dos dois temas, será pedido um acréscimo de tempo para investigação. Mas a coluna (e os cidadãos, claro) morre de curiosidade para saber o que apurou a subcomissão.

ENROSCO TUCANO

No domingo, 14, ocorre convenção estadual do PSDB. Faltando cinco dias, ninguém sabe quantos delegados irão votar. Aliados do deputado Marchezan Júnior, a continuar o status quo, crêem na vitória. Mas os adversários, especialmente Jorge Pozzobom, ainda não entregaram os pontos e vão contestar a suspensão das convenções municipais do mês passado, e que eliminou boa parte dos seus votos.

ENROSCO TUCANO (2)

Entre hoje e amanhã, grupo de Pozzobom vai a Brasília. Quer reverter decisão anterior recorrendo ao chefe. No caso, o presidente do PSDB, Aécio Neves. Se não conseguir, buscará o Judiciário. Desenhando: vai longe a pendenga. Traduzindo “longe” por “domingo”.

O VOTO DO VETO

Como se dizia bem antigamente, “reina grande expectativa” em torno da posição dos vereadores acerca do veto de Cezar Schirmer à emenda ao Plano de Mobilidade Urbana, que transfere do Executivo para o Legislativo quaisquer decisões em torno de mudanças viárias no centro da cidade e/ou em relação ao transporte coletivo.

O VOTO DO VETO (2)

Ficou evidente: os edis não gostaram da repercussão midiática da ida de Schirmer à Câmara, dois dias antes da votação do Plano de Mobilidade Urbana, com o óbvio (e legítimo) propósito de pedir pressa. É a razão principal para a emenda aprovada e depois vetada. E agora, como resolver? Talvez a resposta se conheça hoje. Talvez.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

2 Comentários

  1. Será que o vereador João Carlos Maciel Basegio vai sofrer alguma sanção, ou seria sansão ou çanção. Hummm…acho que nenhuma das anteriores …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo