EducaçãoUFSM

EXCLUSIVO. Rejeitada a ideia da UFSM para campus de Silveira Martins. Leia aqui a ÍNTEGRA do Parecer

ufsm silveiraAtravés do Parecer 019/2015, datado de 2 de julho passado, e já em poder da Reitoria, que o analisa, o Ministério da Educação, via Secretaria de Ensino Superior (SESu), rejeita a ideia da Universidade Federal de Santa Maria, para o a Unidade Descentralizada de Educação Superior de Silveira Martins (Udessm).

O que pretendia a UFSM, depois de um amplo levantamento feito por técnicos da Fundação Getúlio Vargas é explicitamente citado no Parecer, como você confere no trecho abaixo (e, lá no final desta nota, acessa a íntegra), e que já explicita a recusa do MEC:

ufsm texto mec

#

Essa foi a proposta  levada ao Ministério da Educação pelo reitor Paulo Burmann e foi discutida por cerca de um ano, com a condução do vice Paulo Bayard. Mais: conforme declaração dada ao sítio da instituição, ainda no início de junho, Bayard DIZIA: “não é o projeto de uma pessoa só. É uma proposta que vem sendo discutida levando em conta as características e potencialidades de Silveira Martins. A intenção não é, de forma alguma, fechar o campus da UFSM na cidade. O que queremos é apresentar uma proposta que possa, de fato, levar desenvolvimento para aquela cidade”.

A dedução do editor é óbvia: a partir do parecer, que tem o “de acordo” do próprio secretario de Educação Superior do MEC, Jesualdo Pereira Dias, a Universidade só tem duas opções. A primeira, funesta para a comunidade de Silveira Martins, seria o fechamento do Campus. A outra é a manutenção do atual status quo, quem sabe ampliando a oferta de cursos mais adiante, e que possam atrair alunos.

Na noite desta quarta, fontes da instituição garantiram que não há possibilidade de a UFSM sair de Silveira. Lá continuará.  No entanto, os alunos do curso de Administração, por exemplo, estão sendo transferidos para a sede. E os demais passam por adaptações e até poderão, parte deles, também ser absorvidos pelo campus de Camobi.

O fato objetivo é que, e isso é fácil perceber, por mais que a instituição queira preservar a UDESM, há grandes dificuldades para isso, na medida em que cursos mais tradicionais não serão levados para lá. Existem alternativas em estudo, mas são tratadas em sigilo. O editor apurou que uma delas seria a transferência, para Silveira Martins, e no mesmo espaço hoje ocupado pela UFSM, da reitoria do Instituto Federal Farroupilha, hoje na Faixa Nova para Camobi. Mas…

PARA CONFERIR A ÍNTEGRA DO PARECER,  CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

4 Comentários

  1. antonio,não da certo porque tirando a administração, os outros cursos não são renomeados e também foram disponibilizados números absurdos de vagas que não são preenchidas nem no campus central. Isso é jogo politico e não uma tentativa falha.

  2. Finalmente uma decisão de bom senso do governo federal. Pesquisem o grande número de vagas abertas nos editais de reingresso para aquela cidade. Nunca deu certo. É um custo que toda a sociedade paga.

  3. Acho que fechar não é a solução mais viável fechar o campus agora que foi investido tanto dinheiro público. Realmente o MEC tem razão, se com a graduação a UFSM acha que a procura é baixa, imagina sem graduação ? O mais correto seria a criação de um curso novo e a reformulação dos existentes. Agora que foi criado não deveria ser fechado.O que está em jogo é dinheiro público e não interesses de pessoas gananciosas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo