Cultura

CARNAVAL. O desfile pela TV ficou muito chato?

POR MAIQUEL ROSAURO

Você assistiu ao desfile das escolas de samba pela TV?! Segundo o jornalista José Paulo Kupfer, que há décadas acompanha a festa, a transmissão pela TV estava um tédio. Confira em artigo publicado no Estadão:

O carnaval ficou repetitivo e chato

Este ano não foi igual àquele que passou. Desta vez cheguei a uma conclusão definitiva: não dá para tentar saber como foi o desfile das escolas de samba do Rio pela transmissão monopolística da TV. Impossível distinguir o melhor samba, a melhor evolução, fantasias, carros, bateria, qualquer quesito ou conjunto. Impossível entender os desfiles pela televisão. Na telinha, é tudo um pastel só.

As escolas de samba do Rio me mobilizaram por umas três décadas, ano a ano, a maior parte do tempo no batente, cobrindo o evento. Não podia ser diferente. Sou jornalista nascido, em meados dos anos 60, na Bloch Editores, auge da Manchete e da Fatos&Fotos, a revista em que comecei essa jornada já muito longa de quase meio século de jornalismo. Logo, apesar de parecer estranho para um cara da Economia, sou jornalista de carnaval.

Na primeira cobertura de que participei, em 1968, envergando o primeiro smoking que vesti na vida, fui destacado para a gloriosa tarefa de carregar os participantes do concurso de fantasia que precedia o grande baile da cidade, para um estúdio improvisado da Manchete, em outro andar, onde eram fotografados para sair na esperada e magnífica edição de carnaval. Puxei e praticamente carreguei estrelas do concurso, quase todos gays, uma tradição, aliás, dos carnavais pré-liberação das opções de gênero — os grandes Clovis Bornay, Evandro de Castro Lima, Jésus Henriques e outros –, com seus faniquitos e as toneladas de strass de suas maravilhosas fantasias. Isso muito antes da migração das grandes fantasias para o carros das escolas de samba e do fim dos concursos (havia uma série de concursos do tipo, no Copacabana Palace, em Niterói, no Quitandinha, no Monte Líbano e muitos outros menos votados).

No mesmo ano, também fui designado para acompanhar três escolas de samba – acho que Estácio, Salgueiro e, com certeza, Império Serrano. Na Serrinha, meu principal contato era nada menos do Silas de Oliveira, o lendário compositor de “Aquarela Brasileira” e outros clássicos, de quem sempre ouvia histórias, tanto de samba quanto da Segunda Guerra na Itália, onde Silas foi pracinha da FEB. Tive a sorte e a honra de assistir ao nascimento de “Heróis da Liberdade”, do carnaval de 1969, um dos sambas clássicos de Silas. Um dos maiores sambas de todos os tempos é, em resumo, como Silas me contou, na maior humildade, a simples, mas inspiradíssima descrição de um quadro de Pedro Américo, que ele viu, se não me engano, no Museu Nacional, da Quinta da Boa Vista.

Adentrei o mundo do samba, no tempo dos bicheiros, antes do tráfico organizado. Entrevistei carnavalescos e compositores — publiquei na F&F, com fotos belíssimas do grande Walter Firmo, meu parceiro em tantas matérias, e pesquisei anos a fio para um livro que nunca escrevi. Cobri, por insistência minha, os últimos desfiles dos Ranchos, uma linda manifestação de carnaval, da qual as escolas de samba são descendentes diretos, e me meti até na tentativa fracassada de fundar um deles, o Flor Amorosa de Ipanema, como forma de resistência à sua iminente extinção.

CLIQUE AQUI e leia o artigo na íntegra.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo