EconomiaNegóciosTecnologiaUFSM

MERCADO. Carlos Costabeber e a defesa de parceria entre Universidade e o setor privado, via incubadoras

“…Em Santa Maria, a pioneira é a Incubadora Tecnológica da UFSM, ligada ao Centro de Tecnologia. O seu prédio comporta 20 módulos para projetos de pré-incubação (originados de pesquisas internas) e incubação (empresas que já possuem produtos ou serviços desenvolvidos e prontos para serem colocados no mercado). Ali nasceu também a semente do Parque Tecnológico de Santa Maria.

Mais recentemente foi criada a AGITTEC (Agência de Inovação e Transferência de Tecnologia), com a finalidade de integrar a gestão da propriedade intelectual, do empreendedorismo e da transferência de tecnologia na UFSM. Ela teve a sua origem em 2001, no Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia da Universidade…”

CLIQUE AQUI para ler a íntegra do artigo “Universidades próximas do mercado”, de Carlos Costabeber – graduado em Administração e Ciências Contábeis pela UFSM (instituição da qual é professor aposentado), com mestrado pela Fundação Getúlio Vargas em São Paulo, com especialização em Qualidade Total no Japão e Estados Unidos. Presidiu a Cacism, a Câmara de Dirigentes Lojistas e a Associação Brasileira de Distribuidores Ford. É diretor da Superauto e do Consórcio Conesul.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

2 Comentários

  1. Para muitos esta mistura proposta pelo nobre articulista é uma “ofensa”, uma “heresia”. As universidades “públicas, gratuitas e de qualidade”(sic) não devem jamais misturar alhos com bugalhos. A universidade tem que gerar volume de pesquisas e artigos publicados em periódicos científicos que eu duvido que os próprios autores leem. Só se mudarmos as cabeças pensantes das IFES, do MEC… ou uma lobotomia também pode ser útil neste caso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo