AssembleiaEducaçãoEstadoPolíticaTrabalho

EDUCAÇÃO. Governo aceita proposta e alunos vão desocupar escolas. Já com o Magistério papo é outro

Estudantes (com deputados) festejam, na Assembleia, o que consideraram “dia histórico”. Governo adia discussão de projeto “privatizante”
Estudantes (com deputados) festejam, na Assembleia, o que consideraram “dia histórico”. Governo adia discussão de projeto “privatizante”

Por DÉBORA FOGLIATTO, com foto de GUERREIRO (Assembleia Legislativa), no SUL21

Estudantes de escolas estaduais aceitaram na tarde desta terça-feira (14) nova proposta feita pelo governo José Ivo Sartori (PMDB) e decidiram desocupar, a curto prazo, as cerca de 120 instituições de ensino que ocupam há mais de um mês. A previsão é que as escolas sejam desocupadas até a próxima segunda-feira (20).

A nova proposta foi apresentada aos estudantes pelo deputado Gabriel Souza, líder do governo no Legislativo, em reunião com a presença de deputados da oposição. Em assembleia, os jovens concluíram que o documento avança em pontos exigidos por eles e se comprometeram a desocupar imediatamente a Assembleia Legislativa, onde um grupo acampava desde a tarde de segunda-feira (13), e gradativamente as escolas, que completaram mais de um mês de ocupação.

Entre outras coisas, o governo do Estado se comprometeu a não votar este ano o Projeto de Lei 44/2016, uma das principais reivindicações dos alunos e contratar os professores que faltam no quadro. Também consta no documento o compromisso do governo em liberar R$ 40 milhões para obras nas escolas até o dia de 30 de junho e o repasse atrasado da verba da autonomia financeira das instituições de ensino até 20 de junho. Além disso, o Piratini reafirmou a instalação do fórum permanente com a participação da sociedade e de estudantes para discutir melhorias na educação  e a fiscalização dos cardápios da merenda tanto pelo fórum permanente quanto pelo Conselho Estadual de Alimentação.

Os estudantes consideraram este um “dia histórico” em seu movimento, destacando a derrota do PL 44/2016. “Mostramos que nós temos voz e que nós conseguimos mostrar para os governantes como se faz movimento estudantil e como a gente conquista as nossas pautas em unidade nas escolas. E aqui a gente está com o documento concretizando todas as nossas pautas. Todos os estudantes deram aula de cidadania, de como ter autonomia e mostramos a escola que tem a nossa cara”, afirmou Ana Paula Santos, da escola Protásio Alves e do comando das ocupações.

O deputado Gabriel Souza, que representou o governo todo o tempo durante as negociações no Legislativo, afirmou a importância do acordo para que haja a volta às aulas e a “normalidade do funcionamento da Assembleia Legislativa”. “Conseguimos avançar na pauta que os estudantes apresentaram”, informou ele, que disse que o acordo será firmado oficialmente, com a presença do Judiciário, nesta quarta-feira (15) às 10h.

Os estudantes saíram da Assembleia comemorando e entoando “secundarista é revolução”. Os que estavam acampados lá, agora, retornam para suas escolas ocupadas.

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo