ESPORTE. Chance para conhecer Fernando Meligeni. Ídolo do tênis na Eny Praça Nova, parceira deste site

ESPORTE. Chance para conhecer Fernando Meligeni. Ídolo do tênis na Eny Praça Nova, parceira deste site

ESPORTE. Chance para conhecer Fernando Meligeni. Ídolo do tênis na Eny Praça Nova, parceira deste site - meligeniPor MARILICE DARONCO (e foto de Reprodução), do Departamento de Marketing da Eny Calçados

O ano era 1996. Em disputa a medalha de bronze dos Jogos Olímpicos de Atlanta, nos Estados Unidos. De um lado da quadra o tenista argentino naturalizado brasileiro Fernando Meligeni, o Fininho, então com 25 anos, do outro o indiano Leander Paes, que acabou vencendo o jogo por 2 sets a um.

Naquela disputa, o Brasil perdeu a chance de ganhar a sua primeira medalha olímpica no tênis. Por outro lado, ganhou uma grande lição (dentro e fora de quadra): quando desembarcou em Atlanta, a delegação brasileira vivia a expectativa de conquistar bons resultados em esportes como a natação, judô, futebol, mas não no tênis.

Por conta disso, o Comitê Olímpico Brasileiro disse para Meligeni, que só conquistou a vaga no último dia de inscrição, desistir de competir por não ter chance de ganhar medalha. Naquela competição, o tenista realmente não levou uma medalha para casa, ficando no quarto lugar, mas ganhou fama e reconhecimento vencendo tenistas consagrados como  Stefano Pescosolido (Itália), Albert Costa (Espanha), Mark Philipoussis (Austrália) e Andrei Olhovsky (Rússia).

São as lições que aprendeu ao longo da carreira que o tenista, atualmente comentarista esportivo da ESPN, trouxe para Santa Maria neste final de semana. Desde ontem até este domingo ele ministra uma clínica do esporte no Avenida Tênis Clube. Para quem quiser conhecer o ídolo de perto, nesta noite ele estará na Eny Praça Nova a partir das 20h para uma sessão de autógrafos ( e selfies é claro).

Meligeni firmou-se como um dos melhores do esporte no Brasil. Ex-número 25 do mundo, conquistou três títulos de simples de ATP e sete de duplas, foi capitão brasileiro na Copa Davis por dois anos, chegou a semifinal de Roland Garros em 1999 e tornou-se campeão pan-americano em 2003, quando se aposentou.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *