Destaque

ECONOMIA. Preços sobem 0,90% em novembro. Nos 11 meses de 2017, a inflação em SM chega a 2,67%

Pela Assessoria de Comunicação da Unifra, com imagem de Reprodução

O Índice do Custo de Vida de Santa Maria (ICVSM), calculado pelo Laboratório de Práticas Econômicas (LAPE), do curso de Ciências Econômicas do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), apresentou inflação de +0,90% ante +0,80% em outubro e deflação de -0,58% em setembro. Este resultado foi motivado pelo reajuste dos preços combustíveis. No ano de 2017, a inflação na cidade registrou +2,67% e nos últimos 12 meses + 3,28%.

O grupo transporte apresentou variação de 2%, com destaque para o aumento do valor médio das passagens aéreas (19,8%), do reajuste da passagem de ônibus intermunicipal (7,6%) e do preço médio da gasolina comum (4,6%).

O grupo Saúde e Cuidados Pessoais apresentou uma elevação nos preços ao consumidor de +1,00% no mês de novembro. Entre as maiores altas que colaboraram para esta inflação estão as dos…”

PARA CONFERIR A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. O que pega nas passagens aéreas é o preço do combustível. Quase 40% do custo. E não sei porque cargas d’água é perto de 50% mais caro no Brasil do que lá fora. Governo coloca a mão na concessão de linhas, empresas acabam tendo que pegar rotas pouco rentáveis junto com as menos rentáveis, umas subsidiando outras num país continental (pelo que ouvi, há que se por em dúvida). Mais ou menos o que querem fazer com as ferrovias.
    Convencer um político que soluções não viáveis economicamente não devem ser implementadas, a solução menos glamourosa (e que dá menos votos) é a indicada, luta inglória.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo