AssembleiaEstadoPolítica

ASSEMBLEIA. Deputados nada votam, depois de duas sessões extraordinárias. Governo aposta no ultimo dia

Assembleia encerrou a sessão desta terça sem votar Recuperação Fiscal e PECs. Ficou tudo para a quarta, se possível (foto Samanta Klein)

No portal do CORREIO DO POVO, com informações de Franceli Stefani e Samantha Klein

A Assembleia Legislativa (AL) encerrou no fim da tarde desta terça-feira a sessão extraordinária sem votar a adesão do Rio Grande do Sul ao ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF) e a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que autoriza o Governo a vender a Companhia Estadual de Energia Elétrica (Ceee), Companhia Riograndense de Mineração (CRM) e a Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul (Sulgás) sem exigência de plebiscito. Os deputados voltam a se reunir às 14h desta quarta-feira para nova sessão extraordinária.

A única medida aprovada foi a que trata da própria convocação extraordinária da Assembleia, por 30 votos a 19.

Após uma tarde inteira de debates, no fim da tarde, o líder do governo, Gabriel Souza (PMDB) entregou ofício pedindo para presidência da Casa a convocação de duas sessões extraordinárias – uma para a noite de hoje e a outra para manhã desta quarta-feira – com intuito de votar a adesão ao RRF e as PECs. O presidente da Casa, deputado Edegar Pretto (PT), rejeitou o pedido por não haver ser citado, no documento, os artigos regimentais que embasam a solicitação.

A sessão chegou a ser suspensa por alguns minutos, até o deputado Pretto retomar colhendo votos para decidir a ordem de votação. Mas a pedido dos deputados, como a sessão já ultrapassava o prazo, o presidente encerrou a ordem do dia.

Protestos em frente à Assembleia

Representante de sindicatos contrários à adesão e a privatização das companhias gaúchas protestaram durante o dia em frente a Assembleia Legislativa. Nenhum confronto ou tumulto foi registrado durante a tarde. Muitos manifestantes se expressaram com gritos de “Fora, Sartori” e vaias quando representantes da base aliada discursava enquanto assistiam pela televisão a sessão.

Dentro da Casa, presentes nas galerias se manifestaram várias vezes durante a sessão contrárias às pautas do governo. O líder do governo, Gabriel Souza, reclamou para o presidente sobre a interrupção do público durante a fala da oposição. A sessão chegou a ser interrompida por causa de acusações entre manifestantes dos dois lados das galerias.

A deputada Manuela D’Ávila (PCdoB) criticou a necessidade de convocação extraordinária para debater matérias uma semana antes do início do ano legislativo. “Essa convocação é um desrespeito à Assembleia”, apontou e reforço o discurso de que os projetos em debate são uma fraude. Durante seu depoimento, a deputada rebateu gritos de grupo manifestantes: “Como gostam de gritar para mulheres. Viemos para ficar e lutar pelo desenvolvimento do Rio Grande”, disse. “Não salvaria o Rio Grande, esse Regime de Recuperação Fiscal. É mentira, é mentira, é mentira”, finalizou ela.

O deputado Catarina Paladini (PSB) compareceu na Assembleia Legislativa de cadeiras de rodas por conta de uma recuperação de procedimento cirúrgico para votar pela adesão ao RRF. “Compreendo que é importante estar aqui. A bancada do PSB vem cumprindo papel fundamental e não é diferente agora. Temos clareza e votaremos favorável ao RRF, mas temos contrariedades em relação às estatais, mas a nossa função de abrir a janela de discussão e debate, isso o PSB fará”, afirmou.

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Estão sendo pagos para decidirem as coisas, se sim ou não, não para enrolarem. Não para adiarem.

    Já disso isso aqui quando a notícia dizia que um deputado vermelho festejou (vergonhosamente) que não teve quorum num dos dias.

    Não ter quorum é o mesmo que rasgarem nosso dinheiro. A estrutura está ali, as luzes estão acesas e os computadores foram ligados, as pessoas se deslocaram, vários apareceram para cumprirem a função dos seus mandatos, estão recebendo para isso, e o quorum não aconteceu naquele dia? E fica só nisso mesmo? E ainda é festejado?

    Se não é para decidir nada, que se exonerem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo