ELEIÇÕES 2018. Número de edis candidatos (quase) dobrou em quatro anos. Em 2014, ninguém se elegeu

ELEIÇÕES 2018. Número de edis candidatos (quase) dobrou em quatro anos. Em 2014, ninguém se elegeu

ELEIÇÕES 2018. Número de edis candidatos (quase) dobrou em quatro anos. Em 2014, ninguém se elegeu - câmara-1

Hoje no Legislativo Municipal, ano que vem na Assembleia ou na Câmara dos Deputados. Sete querem trocar de lugar (foto Reprodução)

Tanto quanto deputados concorrerem a prefeito, a entrada no jogo eleitoral de vereadores, buscando um mandato na Assembleia Legislativa ou na Câmara dos Deputados, é considerada uma boa aposta dos pretendentes. Na pior das hipóteses, a derrota, ainda assim são vitoriosos. Por quê? Garantem campanha antecipada para o mesmo cargo que ocupam, apenas dois anos depois.

Isso ajuda a explicar por que os partidos colocam seus parlamentares a disputar pleitos municipais. Cezar Schirmer, Jorge Pozzobom e Paulo Pimenta, para ficar nos exemplos mais recentes, mesmo derrotados na comuna, alavancaram extraordinárias vitórias locais logo na eleição proporcional seguinte. Basta consultar os dados dos pleitos de 2004/06 (Schirmer), 2008/10 (Pimenta), 2012/14 (Pozzobom), para perceber essa lógica.

No caminho inverso, cada vez mais vereadores disputam eleições para deputado. Na eventual (e certamente aceitável) derrota no pleito maior, na pior das hipóteses encaminham campanhas vitoriosas mais adiante. Assim, é natural que, a cada eleição, aumente o número de pretendentes.

Na eleição de 2014, para ficar nos dados mais recentes, foram candidatos os quatro então vereadores Ovídio Mayer, do PTB, que concorreu a Deputado Federal, e Marcelo Bisogno , do PDT, Werner Rempel, do PPL, e Paulo Denardin, do PP, todos à Assembleia Legislativa. Deles, Denardin a nada concorreu, Bisogno e Rempel tentaram a Prefeitura, e Ovídio foi o único candidato de novo a vereador: e se elegeu.

O caminho, agora, será percorrido por, se nada mudar até as convenções, nada menos que sete atuais vereadores. E poderia até ter dobrado o número, mas um desistiu. No caso, o  pepista Vanderlei Araújo. Ainda sim, trata-se de quantidade recorde. Quer saber quem são? Confira a lista, a seguir:

Para deputado federal:

André Agne Domingues (PSDB)

Manoel Badke (DEM)

Francisco Harrisson (PMDB)

Para deputado estadual:

Deili Granvile (PTB)

João Chaves (PSDB)

Jorge Trindade (Rede)

Marion Mortari (PSD)

Para fechar, apenas uma curiosidade: quanto fizeram, de votos, os vereadores de 2014.

Para deputado federal:

Ovídio Mayer (PTB), 5.013

Para deputado estadual:

Marcelo Bisogno (PDT), 13.668

Paulo Denardin (PP), 5.038

Werner Rempel (PPL), 9.596



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *