PROPOSTA. Dois dias de carnaval na Gare. Prefeitura liberaria R$ 15 mil a cada escola, com contrapartida

PROPOSTA. Dois dias de carnaval na Gare. Prefeitura liberaria R$ 15 mil a cada escola, com contrapartida

PROPOSTA. Dois dias de carnaval na Gare. Prefeitura liberaria R$ 15 mil a cada escola, com contrapartida - prefeitura-carnaval

Em reunião ontem, com Escolas de Samba e sua entidade de representação, Prefeitura apresentou proposta para garantir o carnaval

Por MARIANA FONTANA (texto) e DEISE FACHIN (foto), da Assessoria de Imprensa da Prefeitura

Sabendo da importância do Carnaval para a Cultura do Município, a prefeitura de Santa Maria apresentou, nesta terça-feira (29), às escolas de samba da cidade, um novo modelo de festa, mais responsável, com menor investimento e de acordo com as condições do Município.

A reunião contou com representantes de seis entidades carnavalescas, além do vice-prefeito Sérgio Cechin; do secretário chefe da Casa Civil, Guilherme Cortez; da secretária de Cultura, Esporte e Lazer do Município, Marta Zanella; e da vice-presidente da Associação Aliança pelo Samba, Alcione Flores do Amaral.

Durante a reunião, Cortez destacou que a Prefeitura não tem condições de, sozinha, retomar a festa, mas que a Administração Municipal, reconhecendo a relevância da festa – que reúne milhares de pessoas – está disposta a auxiliar e apoiar as escolas de samba. Assim, o modelo apresentado tem o objetivo de firmar um instrumento de cooperação da Prefeitura com a Associação Aliança pelo Samba, que prevê não apenas ações pontuais, mas atividades contínuas por parte das escolas.

Assim, foi proposta a realização de uma festa em duas noites (nos dias 15 e 16 de março), na Gare da Viação Férrea, com a apresentação reduzida de três escolas em cada noite. Além disso, o termo exige também que cada uma das escolas participantes desenvolva, ao longo do ano, um projeto social, de aulas de bateria, em uma escola municipal próxima à sede da entidade, pelo período de oito meses (de abril a novembro).

Ainda, a Prefeitura também propôs o repasse de recurso, de até R$ 15 mil para cada escola, desde que as entidades cumpram as exigências propostas no instrumento de cooperação.

“Não é só um desfile, envolve, também, um projeto social que pretende manter a Cultura do Carnaval ao longo do ano, não apenas nas vésperas da festa. A Prefeitura não irá virar as costas para as escolas, mas não podemos retomar sozinhos. Esse é um formato responsável, com menos gastos, diante das nossas dificuldades. A Cultura é relevante, mas temos também outras situações que são prioritárias, como a Saúde e a Educação, que são serviços básicos. Ainda, estamos investindo na infraestrutura, que era algo que a comunidade nos demandava. Sabemos da importância do Carnaval, que é uma festa popular brasileira e que mobiliza muitas pessoas, por isso, estamos propondo esse novo modelo”, ressaltou Cortez.

“Sabemos da importância dessa festa, por isso estamos trabalhando junto às escolas de samba para que ela aconteça”, complementou o vice-prefeito Cechin.

Cabe ressaltar, ainda, que muitos municípios optaram por não realizar Carnaval. Mesmo assim, Santa Maria buscou um modelo inovador para tentar promover o evento.

“É uma alegria poder propor esse novo modelo, pois precisamos ver essa festa acontecer de novo. É um momento de alegria e de valorização da Cultura “, destacou Marta.

PARA LER NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.



2 comentários

  1. O Brando

    Daí o sujeito virou para o piá que estava ao lado e disse: “Guri, vai lá no cachorrão e me traz um X-tudo e um litrão de gasosa. Toma aqui 50 centavos”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *