BRASIL. As palavras do capitão, o quartel aquele e a voz (final) dos militares: o valor único da democracia

BRASIL. As palavras do capitão, o quartel aquele e a voz (final) dos militares: o valor único da democracia

BRASIL. As palavras do capitão, o quartel aquele e a voz (final) dos militares: o valor único da democracia - orlando-1Quartel de Abrantes

Por ORLANDO FONSECA (*)

Não sei muito a respeito do Abrantes, mas, a cada semana, desde que começou o atual governo – e isso faz apenas pouco mais de dois meses – tudo se mostra no seu quartel como dantes. O presidente diz alguma coisa, e tem sempre um general de plantão – dentre os seus auxiliares diretos – para dizer que “o presidente foi mal interpretado”, que não foi “bem isso o que ele quis dizer”, ou simplesmente afirmar que o que será feito não tem nada a ver com o que ele manifestou em seu último tuíte.

É uma versão precoce do que declarou um Sociólogo que já foi presidente: “esqueçam tudo o que eu escrevi” – hoje, como se sabe, tem muitos que esqueceram mesmo, querem agora esquecer que ele foi presidente. Na atual conjuntura: “Esqueçam o último tuíte, me aguardem!” – é como somos ameaçados.

Aconteceu de novo com uma afirmação que, de tão desastrosa, causou arrepio geral. Segundo suas palavras, durante cerimônia de formatura dos fuzileiros navais no Rio de Janeiro, a “Democracia só existe quando suas Forças Armadas assim o querem”. Logo em seguida veio o seu vice, o general Mourão, botando panos quentes, acusando todos os ouvintes, leitores de jornais, jornalistas nacionais e estrangeiros (estes devem ter uma enorme dificuldade para traduzir), de que não sabemos interpretar as elaboradas sentenças do Primeiro Mandatário brasileiro.

Depois apareceu nas redes sociais mais uma desastrada tentativa de seu Ministro da Casa Civil – ela existe ainda – atribuindo a Obama um parágrafo que ratificaria – democrática e norte-americanamente – a frase proverbial do Presidente. Só que se trata de um poema, de um ex-combatente, publicado uns 40 anos antes de o Barak assumir.

E não é só um simples cronista provinciano que teme o que há de vir pelas plagas nacionais. Os analistas de mercado já dizem que essa sequência de declarações do Chefe da Nação têm sido lidas como mau sinal sobre o Governo. E não é por culpa das dificuldades de interpretações entre os operadores da Bolsa.

Está claro, claríssimo, nas falas e manifestações através das redes sociais, o comportamento errático do Capitão. Eu diria que até mesmo no que cala, no que deixa de responder aos jornalistas, é eloquente. E mais eloquente ainda com a intervenção fardada, ou em trajes civis, para tentar corrigir os rumos ou amenizar os danos.

Seria mesmo uma sandice achar que, no concerto entre as nações, na atualidade, pudesse haver uma relação que prescindisse de Forças Armadas. Entretanto, o regime democrático, por conceito, desde a sua origem na antiguidade grega, decorre da compreensão de que o poder emana do povo, por ele deve ser exercido – na forma representativa – e deve servir ao povo, na gestão da res publica, da coisa pública, do bem comum.

Portanto, até mesmo as Forças Armadas, em nome da saúde democrática de um país, devem estar a serviço do povo. Não como ameaça a possíveis inimigos internos, mas especialmente contra os inimigos externos que possam colocar em risco a soberania de uma Nação. Aliás, afirmar isso, que é quase uma platitude, parece de uma obviedade atroz.

No entanto, temos no Brasil um passado recente, que não nos deixa esquecer como as coisas podem se tumultuar quando se invertem as obviedades a respeito da democracia, dos direitos humanos, da paz e da ordem.

Por mim, olhando para aquele tenebroso pretérito, não pretendo que tudo volte a ser como dantes no quartel de Abrantes.  Quem quiser conferir a história portuguesa, e o que um general de Napoleão fez por lá, que o faça. Uma coisa eu sei, o emprego da força militar interrompeu os avanços trazidos com a Revolução Francesa.

(*) ORLANDO FONSECA é professor titular da UFSM – aposentado, Doutor em Teoria da Literatura e  Mestre em Literatura Brasileira. Foi Secretário de Cultura na Prefeitura de Santa Maria e Pró-Reitor de Graduação da UFSM. Escritor, tem vários livros publicados e prêmios literários, entre eles o Adolfo Aizen, da União Brasileira de Escritores, pela novela Da noite para o dia.

OBSERVAÇÃO DO EDITOR: a imagem que ilustra esta crônica (o Castelo de Abrantes, em Portugal) é uma reprodução da Wikipédia.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *