MEMÓRIA. A Irmã Lourdes e 12 anos da morte do Bispo que fez história em SM: Dom Ivo Lorscheiter

MEMÓRIA. A Irmã Lourdes e 12 anos da morte do Bispo que fez história em SM: Dom Ivo Lorscheiter

O importante legado profético de Dom Ivo

Pela Irmã LOURDES DILL (FDC)

MEMÓRIA. A Irmã Lourdes e 12 anos da morte do Bispo que fez história em SM: Dom Ivo Lorscheiter - irmã-lourdes-dom-ivoNo dia 5 de março de 2019 completa 12 anos da passagem de Dom Ivo Lorscheiter para a Casa do Pai. Mesmo que ele partiu, ainda que prematuramente, pois, poderia ter vivido mais anos, ele deixou-nos um grande e importante legado. Mas Deus o considerou maduro para o céu. O seu legado profético que ficou de Norte a Sul, de Leste a Oeste do Brasil. Encontro seguidamente pessoas pelo Brasil a fora que lembram o seu legado de Pastor, tanto na Pastoralidade, como nas questões sociais. Ele deixou marcas profundas e proféticas, entre as quais a marca da Esperança e da Coragem.

“Não deixem nunca a esperança morrer em você”, ele dizia inúmeras vezes. Ele era movido pela Fé, coragem, Esperança e zelo Pastoral, mas também com uma grande paixão pelo Social, através do Cooperativismo, Economia Solidária, Agricultura Familiar, luta pela Terra, Moradia, Catadores, Indígenas, Moradores de Rua, crianças, jovens, idosos, desempregados, recuperação de dependentes químicos, a Fazenda Terapêutica do Senhor Jesus em Ivorá, RS, que completará 25 anos em julho de 2019, doentes e pessoas de todas as Classes Sociais.

Ele tinha um coração aberto e universal onde reinava o Amor, a Solidariedade, a Fé, a Esperança, a Coragem e a Profecia. Foi um incansável Pastor do seu rebanho. Sobre a sua vida poderiam ser escritos dezenas de livros e memórias dos seus feitos que ficaram como um legado profético, para o futuro da Humanidade e a inclusão Social especialmente dos mais empobrecidos.

Em 2019 as iniciativas dos Projetos Sociais da Arquidiocese de Santa Maria, com o apoio de Dom Ivo Lorscheiter e hoje com o apoio de Dom Hélio Adelar Rubert completam: 01/04/2019 – 27 anos do Feirão Colonial; 15/08/2019 – 32 anos do Projeto Esperança/Cooesperança; 12/09/2019 – 27 anos da ASMAR, 14/09/2019 – 44 anos da Feira da Primavera e 20/12/2019 – 42 anos do Banco da Esperança.

São Projetos históricos de cunho social e proféticos, muito importantes para Santa Maria e a nossa Arquidiocese. Junto com estas datas, soma-se outro importante trabalho que é a FEICOOP, evento este, que Santa Maria se regozija em realizar pela 26ª Edição de 11 a 14 de julho de 2019.

São Projetos Sociais, proféticos de grande ousadia e envergadura transformadora que contribuem na inclusão social de muitas famílias no campo e na cidade e que são inspirados na mensagem do Papa Francisco no encontro Mundial dos Movimentos Sociais em 2014: “Nenhuma Família sem Casa, nenhum Camponês sem Terra, nenhum Trabalhador sem Direitos”. Que Dom Ivo “o Gigante da Esperança” e agora o “Cidadão do Céu”, interceda por todos nós, pelo Brasil e por toda Humanidade, fortalecendo a coragem, a ousadia e a esperança, entre os Povos e Nações.

Dom Ivo, Interceda também, para que o Poder Público de Santa Maria se sensibilize para a reabertura do Restaurante Popular Dom Ivo, do qual é o Patrono, cujo nome foi muito bem escolhido, no ano de sua inauguração.

(*) A irmã LOURDES DILL é Coordenadora do Projeto Esperança/Cooesperança e Vice-Presidente da Caritas Brasileira



1 comentário

  1. O Brando

    Dando risada. Mensagem do Papa Chico, sem edições convenientes: ‘…nenhuma família sem casa, nenhum camponês sem terra, nenhum trabalhador sem direitos, nenhuma pessoa sem a dignidade que provém do trabalho.’ No início da mensagem afirma ‘Este nosso encontro não corresponde a uma ideologia’.
    Papa Xico também falou em outra oportunidade:’Muitas vezes foi dito e a minha resposta sempre foi que, por hipótese, sejam os comunistas que pensariam como os cristãos. Cristo falou de uma sociedade onde os pobres, os fracos, os excluidos, sejam eles a decidirem. Não os demagogos, não os barrabás, mas o povo, os pobres, que tenham fé no Deus transcendente ou não, são eles que devemos ajudar para obter a igualdade e a liberdade.”
    No encontro dos movimentos populares de 2016 disse:’Sei que os movimentos populares não são partidos políticos, e permiti-me dizer-vos que, em grande parte, é nisto que se encontra a vossa riqueza, porque exprimis uma forma diferente, dinâmica e vital de participação social na vida pública.’
    Ou seja, vermelhinhos tentam apresentar o SP como ‘um dos nossos’ (bom e velho apelo à autoridade). Não deixam de criticar a Igreja Católica (que desejam exterminar, por isto as eventuais sugestões de ‘reforma’ ). Reação é a que se poderia esperar: ‘bando de comunistas’.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *