POLÍTICA. Partidos aliados pressionam por CCs no governo gaúcho. Enrosco para Eduardo Leite resolver

POLÍTICA. Partidos aliados pressionam por CCs no governo gaúcho. Enrosco para Eduardo Leite resolver

POLÍTICA. Partidos aliados pressionam por CCs no governo gaúcho. Enrosco para Eduardo Leite resolver - Correio-do-Povo-Eduardo-Leite

Eduardo Leite está sendo pressionado por conta de nomeações. E o ameaçam com dificuldades para aprovar projetos na Assembleia

Do portal do Correio do Povo, com texto de TALINE OPPITZ e foto de Reprodução

O governador Eduardo Leite tem um imbróglio e tanto para resolver depois do feriado de Carnaval: a composição de cargos de chefia de vinculadas e da administração indireta. Alguns, estratégicos, outros nem tanto. O fato é que a demora nas definições e substituições está deixando parlamentares e lideranças de partidos aliados consideravelmente aborrecidos.

A insatisfação já está tendo reflexos preocupantes para o Executivo. Entre eles, a redução na disposição de apoiar temas polêmicos, como a proposta de emenda à Constituição (PEC) que acaba com a obrigatoriedade de realização de plebiscito para a venda da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), Companhia Riograndense de Mineração (CRM) e Sulgás.

O texto deve ir ao plenário a partir da segunda quinzena de abril. Nos bastidores da Assembleia, no entanto, há convicção de que se o episódio das nomeações não for definido em breve, será cada vez mais difícil reverter o quadro desfavorável. São cerca de 40 cargos da administração indireta em questão. Destes, apenas 12 estão sob o comando de nomeados na gestão tucana.

Entre os demais cargos, 26 continuam com os mesmos administradores do governo do antecessor José Ivo Sartori (MDB). Um foi mantido: o comandante-geral da Brigada Militar, coronel Mário Ikeda. Entre os novos, nomeados agora, há dissidentes de partidos que não integram a base. Na presidência da Fundação de Articulação e Desenvolvimento de Políticas Públicas para Pessoas com Deficiência e com Altas Habilidades no Rio Grande do Sul (Faders), o escolhido foi Nereu D’ávila. Ex-presidente do PDT de Porto Alegre, Nereu deixou o partido em 2017.

PARA LER NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *