LÁ DO FUNDO. A aliança tucano-pepista, a liderança da Irmã Lourdes, tristeza com a UAC, Souza e o MDB

LÁ DO FUNDO. A aliança tucano-pepista, a liderança da Irmã Lourdes, tristeza com a UAC, Souza e o MDB

Por CLAUDEMIR PEREIRA (com fotos de ), Editor do Site

– Quebraram os pratos em Porto Alegre o Prefeito Nelson Marchezan Júnior (e seu partido, o PSDB), com o PP de Gustavo Paim, o vice-prefeito.

– É inevitável a comparação com Santa Maria, por conta da mesma aliança que dirige a comuna, na dobradinha tucano-pepista, com Jorge Pozzobom e Sérgio Cechin.

– Aqui, a relação, convenhamos, é pra lá de civilizada – em muito por conta da ótima relação pessoal e política entre o Prefeito e o vice.

LÁ DO FUNDO. A aliança tucano-pepista, a liderança da Irmã Lourdes, tristeza com a UAC, Souza e o MDB - lá-do-fundo-pozzobom-e-cechin– Diga-se, mais uma vez, agora na solenidade (foto acima, de João Alves/AIPM) em que se anunciou o processo de licitação do transporte coletivo, na sexta, Pozzobom realçou a parceria com Cechin.

– No entanto, e apesar dessas declarações mútuas de respeito e amizade, fica cada vez mais claro, nos bastidores, que a aliança, se for repetida em 2020, será num hipotético segundo turno.

– O PP (agora Progressistas), fica mais evidente a cada dia, partirá para uma tentativa descolada do PSDB, inclusive por determinação estadual.

– Há, até, uma diretriz recentemente aprovada que obriga a consulta ao Diretório Regional, para referendar alianças, no caso de comunas com mais de 50 mil habitantes.

– Assim é que se consolida a ideia, nos bastidores (embora o PSDB longe está da desistência em manter a coligação), de que Sérgio Cechin e Jorge Pozzobom serão adversários, ao menos no turno inicial.

– O deputado emedebista Gabriel Souza, relator da Subcomissão da Assembleia Legislativa, sobre Aterros Sanitários, estará em Santa Maria na sexta.

– Aqui, o parlamentar vai visitar o aterro no Distrito de Santo Antão, por conta desse colegiado vinculado à Comissão de Saúde e Meio Ambiente da AL.

– Em pleno recesso, porém, Souza virá pelo menos um dia antes, e fará contato com aliados locais no MDB. Com certeza, tratará também de questões internas do partido.

– Não é bom esquecer que vem aí, em agosto, uma convenção municipal (no dia 24) que tende a ser definitiva em relação ao futuro próximo da agremiação.

LÁ DO FUNDO. A aliança tucano-pepista, a liderança da Irmã Lourdes, tristeza com a UAC, Souza e o MDB - lá-do-fundo-irmã-lourdes– A irmã Lourdes Dill (foto acima, de Maiquel Rosauro), coordenadora do Projeto Esperança e dos eventos da economia solidária, finda a Feicoop, se consolida como uma das principais lideranças locais.

– Afora a legião de pessoas que a admiram e com ela atuam no setor, o sucesso (não obstante as dificuldades financeira e até climáticas) da Feicoop é um atestado dessa situação.

– O discurso forte feito na abertura do evento, e reafirmado várias vezes, a colocam como alguém fundamental na cidade, independente de se concordar ou não com ela. Ou alguém duvida?

– Para fechar: é constrangedor, para quem conhece um pouco da luta histórica das entidades comunitárias de Santa Maria, essa briga rastaquera envolvendo a disputa pelo poder na UAC.

– Outrora significativa na cidade, hoje ela simplesmente não é respeitada pelo conjunto da população – gostem ou não desta opinião aqueles que brigam para dirigir a organização.

– Ah, para quem quiser saber mais desse forrobodó, que tem até audiência judicial marcada, vale conferir a reportagem do colega Maiquel Rosauro, publicada dias atrás (AQUI).



1 comentário

  1. O Brando

    Campanha de 2022 já está na rua, Heinze governador. Dudu Milk diz que não concorre a reeleição, diz que já fez na prefeitura de Pelotas e fará de novo (entrevista a Roberto D’Ávila).
    Marchezan sempre teve um ar um tanto arrogante, nariz empinado e pavio curto. Pode ser impressão, um jeito portoalegrense de ser, ‘somos da capital e sabemos tudo’. Talvez algo a ver com a colonização açoriana.
    Duvido e bastante. Vermelhinhos acham que se elogiarem bastante os ‘cumpanheiros’ e ‘cumpanheiras’ (com ou sem fundamento) as outras pessoas ficarão constrangidas a concordar ou se convencerão. Pois bem, ninguém é eterno. Brizola (e muitos outros) foi considerado um líder (até um caudilho). Não preparou direito a sucessão, foi um pé de eucalipto, não cultivou novas lideranças com medo de ser ultrapassado. Acabou o partido com um chefe duvidoso e com desagregação. Há outros casos piores, na sucessão os correligionários parecendo galinhas correndo sem cabeça. Importância se mede pelo que fica, pelo que persiste.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *