LÁ DO FUNDO. Balaião de candidatos em 2020, mês da infidelidade, PMDB, favorito do PT, silêncio tucano

LÁ DO FUNDO. Balaião de candidatos em 2020, mês da infidelidade, PMDB, favorito do PT, silêncio tucano

LÁ DO FUNDO. Balaião de candidatos em 2020, mês da infidelidade, PMDB, favorito do PT, silêncio tucano - lá-do-fundo-câmara

Para uma vaga neste palacete, foram 214 candidatos em 2016. Agora, 350/400. Ou algo parecido a um candidato para cada 500 eleitores

Por CLAUDEMIR PEREIRA (com fotos de Reprodução/Facebook), Editor do Site

– Por conta, basica(e fundamental)mente do fim das alianças proporcionais, se prevê uma verdadeira enxurrada de candidatos a vereador no próximo ano.

– Afinal, as agremiações, que tamanho tenham, terão de apresentar fornidas listas de concorrentes, para alcançar o quociente eleitoral.

– Este, que não deve ser menor que 6,5 mil votos, precisa ser atingido pelo partido que pretenda eleger no mínimo um vereador.

– Veterano observador (e ele próprio ex-edil), Luiz Carlos Druzian, com quem o editor papeou nesta última semana, aposta em algo como 350 concorrentes à vereança.

– Este escriba vai além: imagina ser possível que o número de concorrentes ao parlamento pode mesmo ultrapassar 400. Sempre lembrando que, em 2016, eles foram 214.

– O absolutamente certo é que haverá um concorrente a cada quarteirão santa-mariense. Na media, pode ser um candidato a vereador para cada grupo de 500 eleitores. Que tal?

– Aliás, e para Prefeito, quantos candidatos os partidos irão apresentar. Druzian, por exemplo, acredita que sejam em torno de uma dezena – dois a mais que em 2016.

– Mais uma vez, este escrevinhador aposta num número maior, podendo chegar até mesmo a 15. Tudo por conta da necessidade de afirmação das siglas, por conta da eleição proporcional.

– Essas dúvidas somente serão tiradas, de todo modo, em junho/julho do próximo ano, época das convenções municipais. Antes, inclusive, há uma data bastante importante.

– Sim, em março, seis meses antes do pleito, teremos o mês em que os detentores de mandato poderão trocar de partido sem risco de perder o cargo e podendo concorrer no pleito de outubro 2020.

– Há quem diga que até meia dúzia de vereadores possam se aproveitar da janela da traição. No entanto, imagina-se que, na hora H, sopesando razões, esse número se reduza bastante.

LÁ DO FUNDO. Balaião de candidatos em 2020, mês da infidelidade, PMDB, favorito do PT, silêncio tucano - lá-do-fundo-jorjão– Certo, mesmo, embora ele tenha todo o direito de negar, é que se Jorge Trindade (foto ao lado) quiser reeleger-se terá de deixar o Rede – sem condições, nem quadros, para garantir o quociente.

– Entre outros citados nos corredores, como eventuais trocantes de agremiação, estariam os tucanos Juliano Soares e João Ricardo Vargas, o socialista Alemão do Gás e o petebista Ovídio Mayer. Será?

– Os beneficiários eventuais, contam as paredes do Palacete da Vale Machado, seriam PP e Novo. Exceto o Alemão, que apenas ficaria independente, sem concorrer em 2020.

– Faltam quatro semanas (menos dois dias) para a convenção municipal do MDB. São intensas as tentativas de forçar um acordo, nem que seja apenas para o Diretório.

– A tendência, dizem todos com os quais o escriba papeia, é que isso seja possível. No  entanto, poucos creem em semelhante entendimento acerca da Executiva.

– Gostem ou não os envolvidos, o fato é que, externamente, fica nítida a divisão entre os que gostariam de manter cargos e apoiar Jorge Pozzobom à Prefeitura, e os defensores da candidatura própria.

– O fato é que quando era nitidamente a oposição, no periodo petista na Prefeitura, ou mesmo governo (nos oito anos de Schirmer) as diferenças eram sublimadas ou, mesmo, desapareciam.

– Fora, porém, do núcleo de poder, e com tanta gente em busca de espaço, as diferenças internas ganharam todo o espaço do planeta.

– Os petistas querem fazer da eleição de seus dirigentes, que acontece em 8 de setembro, um grande momento de mobilização de seus milhares de filiados locais. Até para ver se eles aparecem, meeesmo.

– Por isso, inclusive, até mesmo apoiadores do favoritíssimo Sidinei Cardoso (que tem o apoio da majoritária corrente local, a Resistência) gostam da presença de uma outra chapa na disputa.

– No caso, a liderada pelo psicólogo e militante Alex Monaiar, suplente de vereador que lidera a nominata da “Lula Livre – Primavera Vermelha”.

– A ideia é levar a todos os cantos da cidade o debate das duas chapas para chamar os filiados à discussão de 2020, quando o PT apresentará o edil Luciano Guerra como candidato à Prefeitura.

– Para fechar: o tucanato santa-mariense parece tratar olimpicamente as movimentações eleitorais, apenas aparentemente ocorrendo à margem do governo de Jorge Pozzobom.

– O fato é que essa tal mineirice (ou, traduzindo, trabalho em silêncio) ser subestimada seria um erro. Aparentemente, Pozzobom e o governo cercam o vice Sérgio Cechin e não param de trabalhar.

– Sim, o PP e os adeptos da candidatura própria do Progressistas sabem, embora citem outros nomes, que é Cechin o que tem mais chance. Vai funcionar a estratégia tucana? Em algum momento se saberá.



1 comentário

  1. O Brando

    O que é a falta de notícia, coluna é chute do primeiro ao quinto. Até numero de candidatos entrou na dança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *