ARTIGO. Paulo Pimenta, as várias pesquisas e as muitas razões por que cai a popularidade presidencial

ARTIGO. Paulo Pimenta, as várias pesquisas e as muitas razões por que cai a popularidade presidencial

ARTIGO. Paulo Pimenta, as várias pesquisas e as muitas razões por que cai a popularidade presidencial - pimenta-artigoO olhar do povo sobre o governo Bolsonaro 

Por PAULO PIMENTA (*)

Diferentes pesquisas de opinião divulgadas nas últimas duas semanas comprovam que a reprovação do presidente de extrema direita Jair Bolsonaro continua aumentando aceleradamente. É um governo que em oito meses não conseguiu sequer uma notícia boa para o povo brasileiro. Pelo contrário, o desemprego continua nas alturas, não há política para a geração de empregos e renda, os ataques à educação são cotidianos, 7.300 obras públicas continuam paralisadas e o governo segue com a sucessão de ataques aos direitos históricos da nossa população.

A pesquisa divulgada no último dia 2 pelo instituto Datafolha mostra que a reprovação do presidente subiu de 33% para 38%, enquanto a aprovação caiu de 33% em julho para 29% agora. Nunca tivemos um presidente com um índice de reprovação tão baixo nos primeiros meses de governo. No período recente da história brasileira, ele ostenta a primeira posição entre os presidentes com pior avaliação nos 8 primeiros meses de governo.

A população, além de estar crescentemente desesperançada com a inércia governamental, percebe que Bolsonaro governa para sua família, amigos, milicianos, o sistema financeiro e, especialmente, o capital estrangeiro. O capitão-presidente ainda debocha da nacionalidade e da soberania nacional ao agir como preposto dos Estados Unidos, colocando o Brasil como uma colônia de Washington.

Em pesquisa encomendada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) ao instituto MDA, a indicação do filho de Bolsonaro, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), para o cargo de embaixador nos Estados Unidos foi considerada inadequada por 72,7%. O povo rejeita a atitude do capitão de tratar a cadeira presidencial para estabelecer mais privilégios para sua família e amigos.

Um dado importante, segundo a pesquisa DataFolha, é a perda de apoio entre todas as camadas da população. A pior avaliação do mandatário é entre os mais pobres, que ganham até dois salários mínimos (22%), os mais jovens (16 a 24 anos, 24%) e com escolaridade baixa (só ensino fundamental, 26%). Entre as mais ricas (renda mensal acima de 10 salários mínimos) e escolarizadas, também se expressa o arrependimento pelo apoio a um presidente irresponsável: a aprovação ao capitão caiu de 52% em julho para 37% agora. Essa rejeição e decepção são frutos de um conjunto de fatores –  sua política ultraliberal é incapaz de melhorar a economia, a corrupção aparece vinculada à família palaciana, e as políticas mais caras ao povo como saúde e educação estão sendo desmanteladas para que ali na frente sejam privatizadas a troco de banana. O povo começa a ver que este é um governo de privilégios, governa para os seus e os ricos.

Além das investidas contra a previdência pública e as aposentadorias do povo pobre e trabalhador e contra a educação pública, o presidente capitão desencadeou um apocalipse ambiental tendo como foco a Amazônia, a maior floresta tropical com a maior biodiversidade do planeta. A pesquisa mostra, contudo, que a população questiona a posição do militar sobre o tema, para 93,5% dos entrevistados a preservação do meio ambiente é “muito importante”.

Bolsonaro já destruiu a política externa, a educação, a saúde, a previdência, investe contra a nossa soberania, transforma o Brasil em piada internacional, e permanece utilizando as redes sociais para alimentar o ódio e a intolerância, sem nenhuma responsabilidade com o país ou com a democracia. O perfil do mandatário nos faz crer que não há perspectivas de melhoras. Cabe a nós nos somarmos às lutas populares denunciando o caráter antinacional, antipopular e antipovo deste governo e, a partir desta resistência, ofertar um projeto mais generoso e justo de país para a nossa população.

(*) Paulo Pimenta é Jornalista e Deputado Federal, líder da Bancada do PT na Câmara dos Deputados

OBSERVAÇÃO DO SITE: a imagem que ilustra este artigo é uma montagem sobre logotipos, produzida pelo editor.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *