CÂMARA. Moção de repúdio a Hang aprovada pelos vereadores. Nas galerias, as vaias para Kaus e Badke

CÂMARA. Moção de repúdio a Hang aprovada pelos vereadores. Nas galerias, as vaias para Kaus e Badke

CÂMARA. Moção de repúdio a Hang aprovada pelos vereadores. Nas galerias, as vaias para Kaus e Badke - maiquel-cÂMARA-havan

Repúdio às ofensivas declarações de Luciano Hang dominaram as discussões do Parlamento santa-mariense na sessão desta terça-feira

Por MAIQUEL ROSAURO (com foto de Allysson Marafiga/AICV), da Equipe do Site

Os vereadores de Santa Maria aprovaram por unanimidade a moção de repúdio contra o empresário Luciano Hang, protocolada por Valdir Oliveira (PT). Durante a sessão, vários parlamentares utilizaram a tribuna para repudiar as polêmicas declarações do dono da Havan contra a universidade pública. Porém, dois edis foram vaiados pelo público nas galerias.

Na defesa da moção, Valdir criticou o silêncio do prefeito Jorge Pozzobom (PSDB), que não se manifestou após Hang dizer que as universidades públicas formam zumbis, comunistas e idiotas.

“Eu acho que o prefeito perdeu essa grande oportunidade, tenho certeza que receberia aplausos do povo de Santa Maria se agisse desta forma (contestando as declarações). Mas cada um age da forma como bem entende”, disse Valdir.

Na sequência, o discurso de João Kaus (MDB) foi tumultuado. O vereador, que fez um abaixo-assinado para a vinda da empresa e acompanhou a inauguração da loja, disse que não brigou pela Havan, mas por empregos. Ele foi vaiado quando disse que a UFSM também tem sua parcela de culpa e citou como exemplos o apoio do reitor Paulo Burmann à reeleição de Dilma Rousseff (PT) e o fato de o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ter sido recebido campus.

“Aqui é meu lugar de trabalho e é direito meu, fui eleito para estar aqui e vocês estão nos visitando, então vocês têm que me escutar”, rebateu Kaus aos santa-marienses que o vaiavam nas galerias da Casa do Povo.

O discurso mais emblemático ocorreu em seguida, quando Manoel Badke – Maneco (DEM) subiu à tribuna. O democrata explicou que era convidado à inauguração e não tinha direito à réplica e a tréplica frente às declarações de Hang. Ao defender a meritocracia, Maneco foi interrompido por vaias. Em sua resposta, ele antecipou seus planos para o futuro da UFSM.

“Se Deus quiser, em breve, teremos uma nova Universidade. Podem ficar preparados que nós já estamos preparando uma nova Universidade, fiquem bem tranquilos e bem em breve, em bem menos tempo que vocês imaginam. Já estamos trabalhando. Vamos separar o joio do trigo. Vamos dar à sociedade a Universidade que ela merece, podem ter certeza”, falou o democrata.

Antes e após a discussão da moção, outros vereadores também debateram o assunto. De forma unânime, eles repudiaram as declarações de Hang.

 



5 comentários

  1. Éverton

    O véio da Havan já está tomando remedinho contra a insônia. Não reagiram na hora, por que? Tipo aquele guri que toma um corridão na rua e, chegando em casa, protegido por portas, janelas e portão, fica desacatando o desafeto.

    • Gerson Selle

      Não acredito pq aqui ele jamais ocupará esse cargo, enquanto depender da comunidade universitária, porem num governo miliciano, de imposição e sem nenhuma popularidade, tudo pode acontecer. Mas aqui na UFSM reitor imposto será enxotado para fora assim como fizeram na Universidade Federal da Fronteira Sul.

  2. Ana

    Uma sociedade que escolhe defender dono de loja em detrimento à uma instituição de ensino , está irreparável mente doente.

  3. paulo

    Fico ate imprecionado com o dinamismo do querer colocar o atrazo naquele que veio trazer mais empregos desenvolvimento etc. para santa maria por falar a verdade que muitos não querem ver a doutrinação na ufsm.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *