CONGRESSO. A briga com o Planalto é por trocão do orçamento. Centrão sinaliza para derrubada de vetos

CONGRESSO. A briga com o Planalto é por trocão do orçamento. Centrão sinaliza para derrubada de vetos

CONGRESSO. A briga com o Planalto é por trocão do orçamento. Centrão sinaliza para derrubada de vetos - congresso-em-foco-centrão-lira

Centrão cobra acordo feito com Jair Bolsonaro. Líder do grupo, deputado Arthur Lira (PP/AL), é um dos mais influentes do Congresso

No site Congresso em Foco, com texto de EDSON SARDINHA e foto de LUIS MACEDO (Agência Câmara

O governo pode sofrer uma nova derrota na próxima semana caso não cumpra o acordo que fez com o Congresso para evitar a derrubada de vetos do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) à lei orçamentária. Um dos líderes do chamado Centrão, Arthur Lira (PP-AL), disse ao Congresso em Foco que, se o Executivo não enviar o projeto que prometeu aos parlamentares, há grande chance de outros dois vetos presidenciais ao orçamento serem derrubados. Por trás dessa disputa, está o controle de mais de R$ 32 bilhões do orçamento da União, que o Executivo teme perder para o Legislativo.

O Planalto aceita a derrubada do veto de Bolsonaro ao dispositivo que dá aos congressistas poder na escolha da destinação das verbas. Em contrapartida, o que foi negociado entre o ministro Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) e os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) é que o governo enviaria um projeto para recuperar R$ 11 bilhões dos R$ 30 bilhões que estão com o Congresso.

Para Lira, o Senado será fiel da balança em uma eventual derrubada dos vetos. “É coerente derrubar os dois vetos. O Senado é uma Casa muito complicada. Mas já aprovamos essa proposta com mais de 500 votos na Câmara e 79 no Senado. Acreditamos que isso se mantenha”, afirmou o deputado ao lembrar da aprovação do projeto do orçamento impositivo, que recebeu voto favorável até de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) na Câmara.

Estopim da crise

O episódio foi estopim para a crise deflagrada entre o Executivo e o Legislativo nos últimos dias. Por causa dessa disputa, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Heleno Augusto, acusou o Congresso de chantagem, abrindo caminho para os protestos contra o Parlamento convocados para 15 de março, conforme vídeo compartilhado pelo presidente Jair Bolsonaro.

Líder de um recém-criado grupo de 14 partidos de centro e direita, Lira afirma que os ministros precisam entender que perderão poder com a execução do orçamento impositivo, que determina o pagamento das emendas feitas pelos congressistas. “Está havendo falta de compreensão de alguns ministros. Dizem que ficarão engessados. Lógico que ministros perdem importância, porque não serão eles que vão definir os recursos unilateralmente. O orçamento é proposto como sugestão do Executivo, mas é votado e modificado pelo Congresso. É assim no mundo todo.”

O deputado considera que a formação do bloco, que reúne quase 70% da Câmara, pode facilitar consensos, mas ressalta que a prioridade é garantir espaço nas relatorias e na presidência da Comissão Mista de Orçamento e defender o orçamento impositivo. “O bloco é harmônico, não tem cunho ideológico nem partidário. Nada impede que outros partidos venham se juntar a nós. Defendemos o orçamento impositivo e ele deve ser partilhado por todos os…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.



1 comentário

  1. O Brando

    Detalhe: dinheiro não vai parar nos problemas mais importantes. Em grande parte vai para coisas que dão visibilidade e votos. Em muitos casos elefantes brancos. Exemplos mais comuns. Posto de saúde inacabado nos cafundós. Prefeito ganha o prédio mas não ganha equipamento e não tem dinheiro para contratar gente. Ou gastou o limite da lei de responsabilidade fiscal em aspones. Ambulâncias apodrecendo no pátio por razões semelhantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *