Eleições 2020PartidosPolítica

ELEIÇÕES 2020. Presidente estadual do PROS desautoriza entrada da sigla em aliança pró-Cechin

PROS e PP juntos em Santa Maria? Presidente estadual do PROS, deputado Rodrigo Maroni, garante que aliança sequer foi discutida

Por MAIQUEL ROSAURO (com imagem de Reprodução), da Equipe do Site

O PROS/SM não está autorizado a integrar a frente que possui o vice-prefeito Sergio Cechin (PP) como cabeça de chapa ao Executivo. Quem garante é o presidente estadual da sigla e deputado estadual Rodrigo Maroni.

Nesta terça-feira (12), o Site noticiou que o PROS havia embarcado na chapa pró-Cechin três dias após ter deixado a Frente Ampla, Democrática e Trabalhista liderada por Marcelo Bisogno (PDT) (AQUI). O presidente municipal da sigla, Jéferson Nunnes, destacou que estava seguindo recomendações e orientações do Diretório Estadual. Segundo ele, a aproximação com o PP havia sido facilitada pelo fato de Maroni ser oriundo do Podemos, partido que integra a frente liderada por Cechin.

Todavia, Maroni contesta a informação. O deputado entrou em contato com o Site para afirmar que não foi consultado sobre a posição da sigla em Santa Maria e que não há nenhuma disposição em priorizar o PP na corrida ao Executivo.

“Estou aberto a conversar com todos. O Valdeci (deputado estadual Valdeci Oliveira, PT) me ligou ontem (terça), fui pego de surpresa com essa matéria. Não houve nenhum contato para priorizar o Cechin porque eu era do Podemos”, explica.

Maroni assumiu a presidência da legenda em abril e recebeu autonomia da Direção Nacional para atuar junto às Executivas Municipais no Estado. Segundo ele, há possibilidade de conversar sobre a aliança com o PP no município, porém, dificilmente, a sigla apoiará qualquer campo de direita.

“A única informação que eu tinha é de que o PROS estaria em uma Frente Trabalhista com o PDT, o que, teoricamente, poderia favorecer a conversa. Mas os caras saíram desse campo e eu só fiquei sabendo agora. A matéria está totalmente desautorizada, não tem nenhuma legitimidade, foi construída politicamente e utilizando de uma justificativa totalmente descabida e absurda. E eu não aceito usar meu nome sem autorização e na palhaçada”, afirma.

Maroni também relatou ao Site que, por ter assumido a legenda recentemente, sequer conhece o presidente municipal do PROS, Jéferson Nunnes, e garantiu que jamais conversou com ele. Também admitiu que não conhece Sergio Cechin. Destacou, porém, que tem bom relacionamento com Valdeci Oliveira e com o prefeito Jorge Pozzobom (PSDB).

Após desautorizar a entrada do PROS na frente progressista, a Direção Estadual da sigla aguardará o pós-pandemia de Covid-19 para conversar sobre o pleito na cidade pessoalmente com a Executiva Municipal.

“Com tudo isso que está ocorrendo, a prioridade não é a política, mas cuidar da saúde. Eu mesmo, sou pré-candidato a prefeito e estou parado. Não estou preocupado com esse tema, não fiz uma conversa sobre Porto Alegre com ninguém. Tem gente morrendo e eu vou discutir prioridade de coligação? Não é o momento”, justifica Maroni.

 

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo