BrasilPolítica

ARTIGO. Paulo Pimenta e princípios que, pensa ele, deveriam nortear a unidade na luta pela democracia

A necessidade das Frentes e os desafios da construção da unidade

Por PAULO PIMENTA (*)

São evidentes os esforços das oposições ao governo Bolsonaro para articular uma plataforma unificadora da crescente insatisfação da sociedade frente ao descalabro sanitário, ambiental, político, econômico e cultural perpetrado pelo ex-capitão. Um governo – seja qual for sua orientação – não se sustenta à frente de um país com PIB 5% negativo, como se anuncia, isolado pela desmoralização diante do mundo, tragado por uma pandemia que bate sucessivos recordes de óbitos diários e não dá sinais de arrefecer. Ou o governo muda ou será mudado pela sociedade.

O que fazer e – sobretudo – como fazer para viabilizar a composição de forças capaz realizar a mudança necessária? Como remover essa calamidade que se instalou à frente do Estado brasileiro e definir em que direção desejamos mudar? O que as trágicas consequências da pandemia já demonstram – para quem não se recusa a enxergar o óbvio – com o fracasso da condução dada pelo poder público no seu enfrentamento a ela? As experiências que vivemos desde a reconstrução da democracia e da Constituição de 1988 recomendam cabeça fria e clareza de objetivos.

As propostas genéricas de defesa da democracia que brotaram nos últimos dias são inegavelmente um sinal promissor do empenho de diferentes forças políticas por encontrar uma saída para o impasse institucional que vai sendo gerado pelo governo Bolsonaro. São insuficientes, porém, para alicerçar um pacto antifascista eficaz entre forças sabidamente heterogêneas, num ambiente em que a atividade política foi sistematicamente criminalizada, em parte, por setores que hoje buscam escapar da armadilha a que levaram o país.

Definido o pressuposto básico de compromisso com a democracia, a rejeição ao golpe e à violência repressiva do Estado com a utilização das Polícias Militares e das Forças Armadas para reprimir movimentos populares, é necessário qualificar os interesses heterogêneos – sem dúvida legítimos – que estão em jogo. Tanto da parte dos empresários, juristas, economistas, personalidades, artistas, quanto dos assalariados, dos sindicatos, das centrais, das denominações religiosas e dos movimentos populares.

Sem o reconhecimento dessa necessidade, não vingará qualquer pacto que passe por cima de uma pauta que inclua exigências mínimas: se não quisermos ser coniventes com as políticas que transformaram o Brasil num matadouro, a essa altura, com dezenas de milhares de vítimas fatais, é indispensável um investimento pesado e urgente no SUS para fazer frente à pandemia, que se agrava. Essa medida é para ontem!

A partir daí, pactuar uma agenda econômica de salvação nacional: ampliar a vigência do auxílio emergencial de $ 600 reais enquanto durarem os efeitos massivos da Covid-19; suspender imediatamente a PEC 95 de modo a permitir ao Estado os investimentos necessários para a frear a calamidade sanitária e habilitá-lo a cumprir seu papel de indutor da reconstrução econômica do país; utilizar os bancos públicos (BNDES, BB, Caixa, BNB, BASA …) para a abertura de linhas de crédito subsidiadas, voltadas para as micro, pequenas e médias empresas para salvá-las da falência, ampliar a oferta de emprego e estimular o mercado interno.

Uma agenda que reflita os interesses dos segmentos sociais que buscamos representar na sociedade, particularmente os trabalhadores, assim como reconhecer os pleitos legítimos dos setores empresarias que vierem a se somar à mobilização de forças para afastar o governo de liquidação nacional de Jair Bolsonaro e devolver o país ao Estado Democrático de Direito e a uma democracia sem tutela.

A mobilização dos setores populares torna-se, neste momento, indispensável para assegurar o lastro social necessário à construção de uma alternativa que, ao mesmo tempo, afaste a milícia que ocupou o Palácio do Planalto, conduza com clareza e responsabilidade o esforço nacional para conter a pandemia Covid-19, fortaleça a democracia e garanta condições de sobrevivência ao povo brasileiro.

Fora Bolsonaro, Mourão, seu governo e suas políticas!

Impeachment Já!

(*) Paulo Pimenta é Jornalista e Deputado Federal, presidente estadual do PT/RS e escreve no site às quartas-feiras.

Observação do editor: a imagem, de um das manifestações pela democracia realizadas no último final de semana, é uma reprodução da internet.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo