ComportamentoDestaque

COMPORTAMENTO. Como curtir férias de verão, nesse momento em que o novo coronavírus recrudesce

Momento pandêmico tão conturbado e os planos possíveis para o descanso

Por Andriele Hoffmann da Cruz / Especial para o Site (*)

Arrumar as malas e ir para que lugar? Há a vontade de descansar, mas também preocupação de não se aglomerar (foto Pixabay)

Com o Brasil ultrapassando a marca dos 172 mil vítimas da covid-19, enfrentando uma grave crise econômica e o crescente estresse que faz parte do dia-a-dia de muitas pessoas, as opiniões sobre o que fazer para descansar nas férias de verão se dividem: viajar ou curtir o momento de descanso em casa? Sair com medidas de segurança ou priorizar pelo isolamento social? 

Independente da escolha, a psicóloga Ana Cláudia da Silva, de Santa Maria, alerta que o mais importante é descansar, reservar um tempo para relaxar a mente das preocupações diárias ligadas ao trabalho e/ou estudos. Trabalhar por longos períodos sem férias ou descanso é realidade de muitos brasileiros e, com a pandemia, este cenário acaba se tornando ainda mais grave devido ao fato de muitas pessoas estarem adiando as férias por saberem que não poderão viajar ou, pelo menos, que não é o recomendado pelos órgãos de saúde. 

A profissional alerta que longos períodos de trabalho sem interrupção para descanso podem impactar na saúde mental, podendo ocasionar níveis elevados de estresse, desânimo e ansiedade. “Essas sintomatologias, se não tratadas, podem desencadear em casos graves de depressão”, afirma a psicóloga.

Bernardo Mayer Steckel, que trabalha no ramo de agronegócio juntamente com seu pai em Santa Maria – empresa que se manteve ativa na pandemia -, relata que apesar de ter saído apenas por necessidade nesses últimos nove meses, precisou trabalhar fora de casa e por isso não conseguiu seguir à risca o isolamento social.

Com a justificativa de que já estava se expondo ao vírus nos últimos meses, é que Bernardo optou por não abrir mão da tradicional viagem de férias que, desta vez, foi planejada para janeiro de 2021 com destino à Florianópolis. “Por mais que tenha Netflix e outros entretenimentos em casa, é preciso sair um pouco pelo bem da saúde mental”, conta Steckel.

Embora viajar nas férias seja hábito da família, desta vez não acontecerá como nos anos anteriores e o cuidado será constante: uso de máscaras de proteção, uso de álcool gel e distanciamento em locais públicos. Bernardo explica que, neste passeio, será prioridade apenas visitar locais sem aglomerações e restaurantes que respeitem o distanciamento entre as mesas e sigam um protocolo de segurança ao servir os clientes. “Segurança não temos, acho que segurança mesmo só com a vacina. Mas torcemos para que os nossos cuidados nos protejam”, salienta Steckel.

Nesse período de férias que está por vir, há quem escolha o descanso mais reservado, ou seja, com pouca exposição ao vírus. A jornalista e professora universitária de Santa Maria, Glaíse Palma, compreende a importância do descanso fora de casa para a saúde mental. “Isso ajuda a descansar a nossa mente, porque se a gente tira férias e fica só em casa, não é o mesmo descanso. Mudar o ambiente é muito importante”, afirma Glaíse.

Neste ano, em função da pandemia e do cenário instável, a professora optou por não planejar nenhuma viagem de turismo e, prezando também pela segurança, realizará nas férias passeios na cidade, como em um clube que é sócia – nos horários com pouca movimentação de pessoas, em ambientes na natureza ou até mesmo assistir filmes na companhia da família.

“Imagina numa praia, com muita gente, a gente não vai ficar confortável usando máscara. Como é que a gente vai conviver na areia, tomar um banho de mar, ir para um hotel? É difícil. É bastante exposição”, explica a professora. Glaíse afirma ainda que só fará viagens quando se sentir segura com relação à pandemia: quando diminuir o índice de contaminação e quando estiver imunizada pela vacina.

A Organização Mundial de Turismo (OMT) DIVULGOU  em outubro deste ano uma queda de 70% nas viagens internacionais nos primeiros 8 meses de 2020 em comparação ao mesmo período do ano passado, devido a pandemia de covid-19. Entre janeiro e agosto, houve 700 milhões a menos de visitantes. A queda representa uma perda de US$ 730 bilhões ao setor.

(*) Andriele Hoffmann da Cruz é acadêmica de Jornalismo da Universidade Franciscana e faz seu “estágio supervisionado” no site

ATENÇÃO


1) Tua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo