DestaqueEconomiaTrabalho

E AGORA? Os negócios deles eram os eventos e a música. Aí veio a pandemia e tudo teve que mudar

Três exemplos em que a reinvenção foi a maneira encontrada para sobreviver

Maciel Moda é novo negócio de Alessandro Maciel, o DJ santa-mariense que, no entanto, ainda não desistiu de sua atividade original

PorAndriele Hoffmann da Cruz(com fotos de Reprodução) /Especial para o Site (*)

Com os bailes, shows, festas e eventos cancelados há nove meses nessa pandemia, artistas e produtores de eventos de todos os gêneros precisaram buscar por alternativas viáveis de trabalho. As contas continuavam chegando, mas o dinheiro não. A falta de iniciativas do poder público para os trabalhadores do setor – diferentemente da realidade de outros países -, forçou esses profissionais a mudarem de ramo e a observar novas oportunidades para fugir da crise.

O DJ Alessandro Maciel, neste ano de 2020, planejava realizar uma turnê em comemoração aos seus 20 anos de carreira, em que iria percorrer pela Argentina, Uruguai e as principais boates do Rio Grande do Sul. Mas a pandemia adiou seus planos e a crise financeira obrigou o profissional a abandonar por tempo indeterminado a vida noturna. “Confesso que está sendo muito difícil para mim, pois minha vida toda dediquei à música”, desabafa Maciel.

Mas nem tudo esteve perdido. Há cinco meses Maciel conseguiu abrir uma loja de confecções em sua casa com o apoio de amigos e familiares, o que foi essencial para o sucesso nas vendas e, principalmente, para devolver a esperança ao profissional que se sentia abalado por estar longe dos palcos. “Isso me devolveu o sorriso no rosto, pois no início da pandemia fiquei um tempo depressivo por não saber o que estávamos passando”, relata Maciel.

O distanciamento entre os ramos de trabalho não foi um problema para Maciel mas, sim, um desafio. Apesar do pouco conhecimento sobre moda e do baixo investimento inicial em produtos para a loja, sua força de vontade fez o negócio decolar. “Comecei com algumas peças, fui crescendo, estudando moda na internet e hoje já tenho a loja montada e um estoque que consigo vender e repor tranquilamente. Foi muito difícil no início, até entender a necessidade do público”, explica Maciel.

E o músico agora sem trabalho lançou sua marca de roupas para ciclistas

A dificuldade financeira atingiu todos os artistas de Santa Maria e com o músico Pedro Alair Gomes Filho não foi diferente. Trabalhando neste ramo há 29 anos, o profissional – que integra a banda VibeTri, diz nunca ter vivenciado tamanha crise que, resultou em sonhos adiados, reservas esgotadas e mudança de profissão. “Esta pandemia acabou com toda nossa renda. Eu, particularmente, estava prestes a comprar minha casa, tinha uma reserva para isso, porém usei minhas economias para me manter e montar um negócio novo e alternativo”, conta o músico.

O músico percebeu que por trás de um cenário desafiador de crise, existiam novas oportunidades de trabalho. Foi quando decidiu unir duas paixões – moda e ciclismo – e tirar um plano antigo do papel: lançar uma marca de roupas para ciclistas chamada Baita Beca. Apesar de esperançoso com o negócio, admite: “ainda não consigo me manter com meu negócio novo, pois tudo que entra estou investindo para crescimento da empresa”, finaliza.

Os dois profissionais, Maciel e Gomes Filho, pretendem voltar a atuar em suas antigas profissões quando a pandemia acabar e a agenda de shows, apresentações e eventos puder ser retomada. Maciel explica que os planos são continuar com a loja mesmo que a vida como DJ volte a ativa.

REINVENÇÃO TAMBÉM É SOLUÇÃO

Locação de vitrines e materiais de decoração natalina salvam a renda da decoradora Solange com os trabalhos parados na pandemia

A decoradora de eventos Solange Guedes,  – que atende São Pedro do Sul, Santa Maria e região – atua neste ramo há mais de 20 anos e, em 2020, precisou se reinventar para manter de pé o seu negócio e pagar as contas que acumularam. Como já trabalhava com decorações de festas e vitrines antes da pandemia, decidiu ampliar a prestação de serviço da sua empresa na busca por atender um novo consumidor.

Este ano a empresária passou a investir na montagem de vitrines natalinas para a locação, além da produção de artefatos de decoração natalina para casas e empresas. “Oferecer a locação dos itens de decoração foi algo novo, nunca tinha feito. Felizmente foi algo muito bem aceito pelas clientes. Meu espaço está parecendo a casinha do Papai Noel”, comemora Solange.

A profissional relatou que, apesar de ter feito economias nesses anos de trabalho, os 10 meses sem eventos acabaram com a reserva de dinheiro adquirida e por isso precisou se reinventar para sobreviver.

(*) Andriele Hoffmann da Cruz é acadêmica de Jornalismo da Universidade Franciscana e faz seu “estágio supervisionado” no site

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo