DestaqueRegiãoSegurança

TUPANCIRETÃ. Operação da Polícia Civil prende quarteto por prática de quatro roubos em um mês

Além das prisões, e uma quinta domiciliar, também houve várias apreensões

Agentes de Tupã e SM participaram da ação desta sexta, que cumpriu mandados de prisão temporárias e domiciliar (Fotos Divulgação)

Com informações (e texto), da 3ª Delegacia de Polícia Regional

No início da manhã desta sexta-feira (29/01), a Polícia Civil cumpriu 10 (dez) ordens judiciais, sendo 4 (quatro) mandados de prisão temporária, um mandado de prisão domiciliar e 5 (cinco) mandados de busca e apreensão.

O objetivo da operação foi desarticular uma quadrilha que planejou e executou 4 (quatro) roubos em um mês nesta cidade. Todos os roubos tiveram o envolvimento de ao menos dois indivíduos da quadrilha e foram cometidos com arma de fogo e/ ou simulacro.

O primeiro roubo ocorreu no dia 22 de dezembro, quando dois indivíduos, um com faca e outro com arma de fogo, invadiram a casa de um homem de 57 anos no bairro gaúcho, o renderam e amarram na cama enquanto subtraíam diversos objetos.

No segundo roubo que ocorreu no dia 24 de dezembro, um dos investigados ligou e marcou uma corrida de táxi enquanto o outro, com arma de fogo, foi o responsável por pegar a corrida e render a motorista de 41 anos. O indivíduo atou a vitima com um cadarço e fugiu levando uma quantia em dinheiro.

Em 28 de dezembro ocorreu o terceiro roubo, sendo que três indivíduos, todos com arma de fogo, invadiram um mercado no bairro Pedreira, renderam as vítimas e subtraíram uma quantia em dinheiro, entre outros objetos.

O quarto roubo ocorreu em 19 de janeiro, quando três indivíduos, um deles portando arma de fogo, entraram em um mercado no bairro Moraes e fugiram levando o caixa do estabelecimento com uma quantia em dinheiro.

Durante o cumprimento dos mandados, foram apreendidos um simulacro de pistola, possivelmente utilizado no cometimento dos roubos; celulares; roupas utilizadas pelos investigados; e objetos oriundos dos roubos.

As prisões ocorreram nos bairros Ana Terra, Marcial Terra e Gaúcha. Os presos são naturais desta cidade e possuem a seguinte idade e antecedentes policiais: um possui 19 anos e não tem antecedentes como maior de idade, entretanto, quando adolescente foi o responsável pelo latrocínio a uma taxista ocorrido em julho de 2019 nesta cidade; um possui 28 anos e antecedentes policiais por roubo majorado na forma tentada, homicídio qualificado na forma tentada (três vezes), porte de arma de fogo (duas vezes), furto qualificado, dano qualificado, roubo majorado (duas vezes), receptação, adulteração de sinal identificador; um possui 21 anos e não possui antecedentes policiais; já o quarto possui 29 anos e antecedentes policiais por posse drogas (duas vezes), homicídio qualificado, ameaça, porte de arma de fogo e disparo de arma de fogo. A prisão domiciliar foi cumprida no bairro Marcial Terra em desfavor de uma mulher de 22 anos natural desta cidade e que teria sido a responsável por anunciar para venda, em um rede social, alguns dos objetos subtraídos.

Após os procedimentos de praxe na Delegacia de Polícia, os presos foram encaminhados ao Presídio Estadual de Júlio de Castilhos. As prisões têm prazo de 30 (trinta) dias.

A ação foi coordenada pelo Delegado Adriano Winkelmann De Rossi, titular da DP/Tupanciretã e contou com o apoio de 21 policiais e 6 viaturas das Delegacias de Polícia da 3ª Região Policial (Santa Maria).

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo